50 Anos, 50 Restaurantes

1982: Natália Correia, o vulcão açoriano que abriu um bar icónico e deixou a Assembleia da República em alvoroço

28 setembro 2022 16:08

Botequim, em Lisboa

Ia facilmente da mais olímpica gargalhada à mais eloquente cólera. Ninguém ficava indiferente a Natália Correia e há quem a coloque no grupo dos principais e mais ousados pensadores portugueses do século XX. De alma cheia, indomável e imprevisível, escreveu obras apreendidas pela PIDE e almejou uma revolução “civilizacional” em Portugal a partir do Bar Botequim, que abriu na Graça, em Lisboa. Num debate parlamentar, em 1982, respondeu a um deputado com o poema “Truca-truca”, que entrou para a história. Todas as semanas, para comemorar os 50 anos do Expresso, vamos viajar no tempo - com o apoio do Recheio - para relembrar os 50 restaurantes que marcaram as últimas décadas em Portugal.

28 setembro 2022 16:08

1 / 37
Natália Correia no lançamento de um livro de Júlia Lello no Botequim
1 / 37

Natália Correia no lançamento de um livro de Júlia Lello no Botequim

bparpd, arquivo natália correia

2 / 37
Bar Botequim em 1973
2 / 37

Bar Botequim em 1973

bparpd, arquivo natália correia

3 / 37
Natália Correia no lançamento de um livro de Júlia Lello no Botequim
3 / 37

Natália Correia no lançamento de um livro de Júlia Lello no Botequim

bparpd, arquivo natália correia

4 / 37
Funcionários do Bar Botequim
4 / 37

Funcionários do Bar Botequim

bparpd, arquivo natália correia

5 / 37
Natália Correia ao lado de Dórdio Gumarães no Botequim
5 / 37

Natália Correia ao lado de Dórdio Gumarães no Botequim

bparpd, arquivo natália correia

6 / 37
Natália Correia
6 / 37

Natália Correia

inácio ludgero

7 / 37
Arte urbana alusiva a Natália Correia, num mural de Maria Dias Coutinho
7 / 37

Arte urbana alusiva a Natália Correia, num mural de Maria Dias Coutinho

8 / 37
Bar Botequim, em Lisboa
8 / 37

Bar Botequim, em Lisboa

9 / 37
Natália Correia sempre vigilante...
9 / 37

Natália Correia sempre vigilante...

carlos ribeiro silva

10 / 37
Fotografia do Botequim, cedida por Daniel Adrião, à esquerda na imagem, e com Natália Correia ao centro, vestida de azul
10 / 37

Fotografia do Botequim, cedida por Daniel Adrião, à esquerda na imagem, e com Natália Correia ao centro, vestida de azul

11 / 37
Área de esplanada e a entrada do Botequim ao fundo
11 / 37

Área de esplanada e a entrada do Botequim ao fundo

12 / 37
O Botequim ocupa há décadas o número 79 do Largo da Graça
12 / 37

O Botequim ocupa há décadas o número 79 do Largo da Graça

13 / 37
Sala do Botequim
13 / 37

Sala do Botequim

14 / 37
Restaurante e bar Botequim, na Graça, em Lisboa
14 / 37

Restaurante e bar Botequim, na Graça, em Lisboa

carlos ribeiro silva

15 / 37
Retrato de Natália Correia na parede do atual Botequim
15 / 37

Retrato de Natália Correia na parede do atual Botequim

16 / 37
A fachada do Botequim, que abriu em 1969, pelas mãos de Natália Correia e Isabel Meyrelles
16 / 37

A fachada do Botequim, que abriu em 1969, pelas mãos de Natália Correia e Isabel Meyrelles

17 / 37
Fotobiografia de Natátia Correia, por Ana Paula Costa
17 / 37

Fotobiografia de Natátia Correia, por Ana Paula Costa

18 / 37
Botequim, em Lisboa
18 / 37

Botequim, em Lisboa

19 / 37
Decoração do atual Botequim
19 / 37

Decoração do atual Botequim

20 / 37
Natália Correia
20 / 37

Natália Correia

inácio ludgero

21 / 37
Há uma rua na Graça com o nome de Natália Correia
21 / 37

Há uma rua na Graça com o nome de Natália Correia

22 / 37
Fernando Dacosta, autor do livro "O Botequim da Liberdade", era cliente do Botequim
22 / 37

Fernando Dacosta, autor do livro "O Botequim da Liberdade", era cliente do Botequim

23 / 37
Capa do livro "O Botequim da Liberdade", de Fernando Dacosta
23 / 37

Capa do livro "O Botequim da Liberdade", de Fernando Dacosta

24 / 37
Natália Correia a dançar com Francisco Sá Carneiro
24 / 37

Natália Correia a dançar com Francisco Sá Carneiro

inácio ludgero

25 / 37
Pinturas murais alusivas a Natália Correia, na Graça, em Lisboa
25 / 37

Pinturas murais alusivas a Natália Correia, na Graça, em Lisboa

26 / 37
Natália Correia na sua casa, a 2 de julho de 1982
26 / 37

Natália Correia na sua casa, a 2 de julho de 1982

inácio ludgero

27 / 37
José Manuel dos Santos, ex-assessor cultural de Mário Soares e de Jorge Sampaio, era cliente do Botequim
27 / 37

José Manuel dos Santos, ex-assessor cultural de Mário Soares e de Jorge Sampaio, era cliente do Botequim

28 / 37
Natália Correia em casa
28 / 37

Natália Correia em casa

inácio ludgero

29 / 37
Natália Correia fala à comunicação social
29 / 37

Natália Correia fala à comunicação social

inácio ludgero

30 / 37
Natália Correia, durante as eleições de 1976
30 / 37

Natália Correia, durante as eleições de 1976

inácio ludgero

31 / 37
Botequim, em Lisboa
31 / 37

Botequim, em Lisboa

32 / 37
Hugo Santos, atual gerente do Bar Botequim
32 / 37

Hugo Santos, atual gerente do Bar Botequim

33 / 37
No Botequim também se recorda Amadeo de Souza-Cardoso
33 / 37

No Botequim também se recorda Amadeo de Souza-Cardoso

34 / 37
Folhado da ementa do atual Botequim
34 / 37

Folhado da ementa do atual Botequim

carlos ribeiro silva

35 / 37
Prego em Bolo do Caco do atual Botequim
35 / 37

Prego em Bolo do Caco do atual Botequim

carlos ribeiro silva

36 / 37
Salada de Ovo da ementa do atual Botequim
36 / 37

Salada de Ovo da ementa do atual Botequim

carlos ribeiro silva

37 / 37
Vista desde o vizinho Miradouro da Graça
37 / 37

Vista desde o vizinho Miradouro da Graça

Em 1982, a Assembleia da República foi palco de um inesquecível debate sobre a despenalização da interrupção voluntária da gravidez. A meio dos trabalhos, o deputado do CDS, João Morgado, adversário do projeto-lei, argumenta que “o ato sexual é para fazer filhos”. Soam, então, os alarmes no espírito inquieto de Natália Correia, então sentada na bancada do PPD/PSD e defensora da despenalização do aborto. Responde-lhe com um poema: "Já que o coito - diz Morgado - /tem como fim cristalino,/preciso e imaculado/fazer menina ou menino;/e cada vez que o varão/sexual petisco manduca,/temos na procriação/prova de que houve truca-truca./Sendo pai só de um rebento,/lógica é a conclusão/de que o viril instrumento/só usou - parca ração! -/uma vez. E se a função/faz o órgão - diz o ditado -/consumada essa exceção,/ficou capado o Morgado".

Natália Correia

Natália Correia

inácio ludgero

Da sátira à gargalhada geral foi um instante. O poema ridicularizava a situação, levando o racional do deputado ao limite e expondo o “conservadorismo moral” de certas franjas parlamentares. “Explorou a natureza contra natura de uma tomada de posição completamente inconcebível”, comenta Daniel Adrião, que conheceu Natália Correia e é membro dos órgãos diretivos do PS. Com um percurso no jornalismo e na literatura, Fernando Dacosta foi outro amigo de Natália e critica a imprudência de Morgado: “Foi muito infeliz. Eu conhecia-o de Lamego, era um bom advogado, um bom chefe de família e um bom católico. A certa altura, quis fazer uma perninha na política e filiou-se no CDS, o partido que mais se coadunava com as suas ideias e postura, vem para Lisboa e também se quer destacar. Aproveita a questão do aborto e tem a infelicíssima ideia de dizer aquele disparate. Deveria ter sido um bocadinho mais prudente e perceber que a Assembleia, naquela altura, não era constituída por matarruanos, mas por grandes vultos da cultura portuguesa. Daí a intervenção da Natália ser imediatamente apoiada e defendida por esses grandes vultos”.

A despenalização do aborto só se concretiza em 2007, após um intenso e prolongado esgrimir de argumentos. O “Sim” venceu no segundo referendo sobre o assunto e a lei foi aprovada no parlamento. Plasmada no debate de 1982 ficou, porém, a certeza de que a liberdade era “o valor supremo” na vida de Natália Correia, para quem “o ser humano tinha o direito de fazer as suas opções em tudo o que dizia respeito ao seu íntimo”, realça Fernando Dacosta.

Botequim, em Lisboa

Botequim, em Lisboa

Um bar para o futuro de Portugal

Nestes tempos, Natália Correia era já uma figura influente da cultura portuguesa. Natural da Fajã de Baixo, em Ponta Delgada (São Miguel), e estabeleceu-se em Lisboa. Foi jornalista, dramaturga, poeta (não apreciava o termo poetisa por achar a poesia assexuada), deputada e a mais carismática anfitriã da capital. O bar que abriu, em 1969, com Isabel Meyrelles no bairro da Graça - onde a memória de Natália já nomeou uma rua e inspira pinturas murais -, “marcou o século XX português”, afirma Fernando Dacosta na obra “O Botequim da Liberdade”, que escreveu sobre esse local único. Natália queria que fosse a “antevisão de um Portugal que podia haver no futuro, um espaço de convívio, cultura, afetuosidade e de ideias”.

O Botequim mantém o elegante balcão original. Exibe madeiras trabalhadas à mão, livros e revistas nas estantes, fotos de Natália e de Amadeo de Souza-Cardoso. No início, e apesar da claustrofobia, ali“as asas, a imaginação e a criatividade não tinham limites”. “Projetava-nos para um espaço libertário, porque a Natália sempre foi uma libertária e uma aristocrata do espírito, como gostava de dizer. O Botequim era um sítio onde se ia beber inspiração, construído à imagem e semelhança da Natália, que era o centro de todas as atenções”, descreve Daniel Adrião, cliente desde o final dos anos 80.

Por norma, as manhãs eram passadas em casa, a escrever. A tarde era para afazeres sociais e, à noite, Natália ia para o Botequim vivenciar cultura. Saciava-se com o primeiro rosbife (também se servia Bacalhau à Brás), as pessoas chegavam e iam “contando as suas coisas”. Havia uma certa mise en scéne, Natália sabia acomodar “as peças do puzzle” pelas mesas e começava a dominar. A partir daí, tudo podia acontecer e, como escreveu Dacosta, em noites de festa “navegava-se delirantemente em demanda de continentes venturosos (ilhas de amores) que nunca se encontravam”. Para Natália o importante não era alcançá-los, “mas procurá-los”, comungando com “pessoas de espírito e ousadia”, realça o autor. Não se discriminavam vias políticas, Natália valorizava sobretudo os criadores, a “cultura e a autenticidade”, o respeito pela “diferença e as minorias”, e “tinha urticária à mediocridade e ao carreirismo, a tudo o que cheirasse a oportunismos e a arrivismos”. Topava-os a léguas e punha-os fora do bar, sem delonga.

Fotobiografia de Natátia Correia, por Ana Paula Costa

Fotobiografia de Natátia Correia, por Ana Paula Costa

Noites longas e o salão literário

As convicções de Natália eram uma fortaleza. “Não gostava de ser contrariada em matérias que considerava sacrossantas”, diz Daniel. Certa vez, entra em choque por causa do Muro de Berlim com o filho do general Costa Gomes, à frente do pai, gelando a sala. O seu espírito vulcânico entrava imenso em erupção e o bar foi “invadido e destruído” algumas vezes, recorda José Manuel dos Santos. À meia noite, muitos acusavam o cansaço, mas viam Natália eufórica: “Além de ter comido o rosbife, tinha-nos absorvido a energia, o Cesariny tinha razão quando dizia que ela era vampírica”, garante um sorridente Fernando Dacosta. Com laivos de magia, foi neste bar que se continuou a tertúlia lisboeta e se “fizeram e desfizeram revoluções e governos, obras de arte e movimentos cívicos”. “Só uma pessoa como a Natália era capaz de iluminar algo assim”, refere Fernando Dacosta, para quem os “grandes e mais ousados pensadores portugueses do século XX foram Fernando Pessoa, na primeira metade, e Agostinho da Silva, Natália Correia e Jorge de Sena na segunda”. Defende que os Sonetos Românticos são “uma obra prima”, atingindo a dimensão da lírica camoniana, e lembra um dos conceitos avançados introduzidos por Natália, o “femininismo”, que reivindica a valorização do feminino existente no homem e na mulher.

Fumaradas, taças de champanhe, declamações, cantigas e o piano ampliavam as noites. De madrugada começavam a sair convivas, algo regados. Se o primeiro visse a polícia, avisava os outros, que seguiam de táxi. Natália conduzia “muito mal”, diz Fernando, que amiúde a levava a casa. Numa noite, ela pega no volante e entra “à socapa” numa praceta, vindo um carro com prioridade pela direita. “Só não embateram porque o dono do outro carro parou a tempo e apitou. A Natália sai do carro e atira - “O senhor não sabe dar prioridade a uma senhora?” (risos). Era “repentista” e imprevisível...

Fotografia do Botequim, cedida por Daniel Adrião, à esquerda na imagem, e com Natália Correia ao centro, vestida de azul

Fotografia do Botequim, cedida por Daniel Adrião, à esquerda na imagem, e com Natália Correia ao centro, vestida de azul

A casa de Natália Correia, na Rua Rodrigues Sampaio, também era lendária. Divisões amplas e uma zona de estar e receber forrada “a livros, quadros, a fotos, a referências, a recordações” e símbolos, descreve “O Botequim da Liberdade”. Aí se fez um “fascinante” salão literário e se representou, pela primeira vez, a peça Huie Clos, de Sartre, traduzida e protagonizada por Natália. Henry Miller veio de propósito conhecer uma “verdadeira deusa grega”. Numa das idas de Daniel Adrião à sua casa, jantaram um empadão de carne feito com arroz e depois foram à ante-estreia da peça de teatro “A Pécora”. Também em privado Natália se revelava “cativante, fora da caixa, surpreendente e de imaginação vivíssima”. Tinha “o prazer da comida e da bebida” e o hotel do marido, Alfredo Machado, abastecia a mesa. Havia algum aproveitamento... Luiz Pacheco “abria a mala à socapa e pumba, uma lagosta para dentro da mala!”, conta Dacosta. No último piso do hotel funcionava uma roleta clandestina e, como é óbvio, “não havia fortuna suficiente para sustentar uma cambada de comilões e de viciados no jogo, foi tudo à falência”.

Natália Correia sempre vigilante...

Natália Correia sempre vigilante...

carlos ribeiro silva

Amália Rodrigues e a Revolução

Quando entrava outra diva no Botequim, Natália contentava-se porque “dava importância” ao bar, mas era também “uma concorrência que não queria”, considera José Manuel dos Santos. “Acontecia muito com a Graça Lobo”, por exemplo. Os serões em casa de Amália Rodrigues, que tinha a própria corte, davam faísca. Natália começava a dar nas cantigas de amigo e Amália, “enxofrada e manhosa”, pegava na guitarra, dedilhava e cantava. “Ora, entre ouvir a chumbada das cantigas de amigo da Natália ou o fascínio da voz da Amália, virávamo-nos todos para a Amália e a Natália deitava fumo, nem disfarçava (risos)”, recorda Fernando.

Antes da Revolução dos Cravos, Natália organizara a “Antologia de Poesia Erótica e Satírica”, que escandalizou o regime e lhe valeu condenação em tribunal, com pena suspensa. E publicou O Homúnculo, mandado apreender por Silva Pais, da PIDE. Um familiar de Silva Pais, cliente do Botequim, contou a Natália o veredicto de Salazar, que ficou sem dormir: “Apreendam o livro, mas não toquem na Natália Correia, porque é uma mulher muito, muito inteligente”, revela Fernando Dacosta. Para José Manuel dos Santos, não a prendiam por temerem “o escândalo”. Com o 25 de abril, grandes vultos da política e ainda das forças armadas, como Otelo, Vítor Alves ou Melo Antunes, afluem ao Botequim. “Passava lá toda a gente que tinha influência e poder”, confirma José Manuel dos Santos, que começa a frequentar por esta altura. Natália inicia o diário Não Percas a Rosa na noite do golpe. “Era uma oposicionista corajosa, feroz, e por vezes até selvagem, por isso recebe o 25 de Abril com muita alegria. A pouco e pouco, vê sinais de que a Revolução democrática, ou a liberdade, começam a correr riscos, queriam transformar aquilo numa outra coisa, e ela fica na primeira fila do combate. Fui com ela ao decisivo comício da Fonte Luminosa, com o Soares, e a que se juntou a Vera Lagoa”, diz o ex-assessor cultural de Mário Soares e Jorge Sampaio.

Arte urbana alusiva a Natália Correia, num mural de Maria Dias Coutinho

Arte urbana alusiva a Natália Correia, num mural de Maria Dias Coutinho

Todas as noites chegavam informações ao bar. Melo Antunes vinha “de madrugada, com uma pastinha” e lia um documento que o Grupo dos Nove andava a redigir. Por vezes, Natália indignava-se: “O sujeito não concorda com o predicado! Como é que estes revolucionários não sabem gramática? O Melo Antunes pegava numa borrachinha, ia apagando e lá punha o sujeito a concordar com o predicado. Era todo um surrealismo...”, recorda Dacosta. A seguir ao 25 de Novembro, a Natália “fica contra” Melo Antunes: “Ele tinha dito, na minha opinião bem, que não se podia ilegalizar o PCP, e ela achou que isso era uma cedência”, refere José Manuel dos Santos, que assistiu a uma discussão com oficiais “melo-antunistas”. “Acabou. Não quero falar mais de assuntos políticos, o que me interessa é a literatura, a língua portuguesa e a arte”. Um coronel da aviação afirma, então, que se está “a cagar para a língua portuguesa” e Natália perde a cabeça, dá-lhe “duas chapadas” e confronta-o: “Jurou defender Portugal perante a bandeira e já Fernando Pessoa dizia - A minha pátria é a língua portuguesa! Ele jurou defender a língua e agora está a insultá-la e a conspurcá-la!”. E ainda ligou para o Lemos Ferreira, então Chefe do Estado-Maior da Força Aérea, incitando-o a expulsar o “energúmeno”, recorda José Manuel dos Santos.

Natália Correia a dançar com Francisco Sá Carneiro

Natália Correia a dançar com Francisco Sá Carneiro

inácio ludgero

Soares, Sá Carneiro e os ódios de estimação

Depois de assistir a um debate tardio na assembleia, no primeiro governo constitucional, José Manuel dos Santos vai para o Botequim e não demorou até uma série de ministros, como Sousa Gomes e Medina Carreira, entrarem para cear. “Foi sempre um dos centros fundamentais de poder”. Tal como sucedeu com o PPD/PSD (em relação a Sá Carneiro), Natália aceitaria ser deputada pelo PRD “não pelo partido, mas pelo general Eanes”, que também considerava. Mário Soares “foi sempre muito amigo dela”, realça o ex-assessor. Um dia, era ele primeiro ministro, e está numa embaixada a tratar de um assunto. Natália interpela-o e Soares diz-lhe que não era “nada assim” como ela dizia. “Não me ouve, não me ouve. Ainda há-de vir rastejar a meus pés...”. Soares contrapõe: “Ó Natália, se fosse há 50 anos talvez, agora não”, comentário que mereceu da visada um queixoso “Ele só olha para mim como uma fêmea!”. Mas Soares “gostava dela, e muito”.Durante a presidência aberta nos Açores, Natália atrasa-se uma manhã e perde o seu avião. Como o voo presidencial era o último, alerta o presidente: “Não tenho avião!”. “Não esteja zangada, tudo se resolve. Sabe que tem sempre um lugar no meu coração”, apazigua o chefe de Estado. “Posso ter lugar no seu coração, mas não tenho nos seus aviões”, acentua Natália, sendo levada para o avião presidencial. Aí, aponta ao Chefe da Casa Militar: “Dê-me o lugar, sou uma senhora!”. O general Carlos Azeredo, que gostava imenso dela, “fez-lhe continência” e cedeu-lhe o lugar, ficando de pé, fardado e com as medalhas.

Capa do livro "O Botequim da Liberdade", de Fernando Dacosta

Capa do livro "O Botequim da Liberdade", de Fernando Dacosta

“O Botequim da Liberdade” inicia com a chegada de Snu Abecassis e Francisco Sá Carneiro, num Volvo escuro, a uma Ceia de Poesia no Botequim. Do interior vêm “notas de piano, tinir de copos, odores de canela” e os convidados trazem um enorme ramo de rosas brancas para a anfitriã, que foi o cupido do primeiro almoço do par: “Ela é uma princesa que jaz adormecida num esquife de gelo à espera do príncipe que a desperte com um beijo de fogo. O príncipe é você. Telefone-lhe e convide-a”, incitou Natália a Sá Carneiro, ligando depois a Snu: “Menina, o príncipe encantado por que esperavas vai aparecer-te”, lê-se. Natália fica arrasada com a tragédia de Camarate. Quando Santana Lopes era secretário de estado da cultura, teve um desaguisadocom Natália e nessa noite apareceu no bar com um ramo de flores. “Eu aceito, você é um estupor mas sabe tratar uma senhora como deve ser”, retribui Natália. Quando ele se foi embora, vaticina: “Este rapaz ainda chega a primeiro-ministro”.

Muitas figuras emergem no Botequim, estabelecendo diferentes ligações e relações de proximidade. De Helena Roseta a Isabel da Nóbrega, de António Vitorino de Almeida a Saramago. Jorge de Sena, Sophia de Mello Breyner e Agustina Bessa-Luís eram “no mundo literário, ódios de estimação” para Natália, escreve Dacosta.Com Luiz Pacheco e Mário Cesariny começa por dar-se bem, mas os três egos deixam de se “conciliar no mesmo poleiro”, e distancia-se de Ary dos Santos “por desníveis de caráter”. Embirrou com Marcelo Rebelo de Sousa quando ele tomou banho no rio e apoiou Jorge Sampaio na corrida à presidência da Câmara. Irritavam-na, também, algumas abordagens dos média, como uma pergunta sobre a sua simpatia para com Sá Carneiro num debate no Instituto Franco-Português de Lisboa. “Você não passa de uma ignorante, não está preparada para me questionar, estou farta de semelhante marabunta vaginal”, reproduz Dacosta.

Fernando Dacosta, autor do livro "O Botequim da Liberdade", era cliente do Botequim

Fernando Dacosta, autor do livro "O Botequim da Liberdade", era cliente do Botequim

Combativa até ao fim

No início da década de 90, Natália percebe que o final se aproxima. Queixava-se mas não a levavam a sério. Não imaginavam “que aquela mulher fosse mortal”. Via-se a braços com a doença, a perda de rendimentos e desencantada com o “liberalismo selvagem” e o retrocesso democrático. O Botequim ia perdendo gás e influência, o que também “a entristece e que lhe tira até energia e força”. Poucos meses antes de Natália morrer, José Manuel dos Santos regressa de um jantar com o presidente Mário Soares e vai ao bar informá-la que, além de um prémio da Associação Portuguesa de Escritores, ia ser condecorada com a Ordem da Liberdade. Na sala está Júlio Pereira (acompanhado), que aparecia para “provocar a Natália”. A anfitriã chegou com o marido, Dórdio Guimarães, Isabel da Nóbrega e a viúva de Fernando Namora, estreante no bar. Esta, senta-se sobre um rolo de papel com um desenho ou pintura de Júlio Pereira, que lança a primeira “ordinarice”. Seguiram-se as “maiores enormidades” contra Natália e Dórdio. Natália tenta conter-se, até à decisiva vileza: “Tu devias era estar a vender castanhas num sítio qualquer, porque como escritora...”. Num ímpeto, salta “como uma leoa” e enraivece: “Deem-me um chicote para eu chicotear este biltre, este energúmeno!”. Embora debilitada, “era a Natália de sempre, com um extraordinário discurso de insulto”, recorda José Manuel dos Santos. No meio da gritaria, Dórdio e Isabel gatinham por trás até ao bar e chamam a polícia. Como não tinham percebido bem a razão da queixa eapanham Natália no auge da sua fúria, os agentes dirigem-se a ela para a prender, e ela vocifera: “Estão a tentar molestar uma senhora, o biltre é aquele e vocês são iguais a ele! É por isso que tudo o que é belo no mundo está a acabar, porque estou rodeada de imbecis e malvados!”. A contenda resolve-se, o instigador abandona, os agentes ficam “boquiabertos”...

Natália Correia em casa

Natália Correia em casa

inácio ludgero

“Todas estas personagens, para além de serem grandes escritores, artistas e intelectuais, eram originalíssimas, maravilhosas. Nunca desmentiam a sua obra, eram tão grandes como a sua obra. Eu adorava a Natália. Era, simultaneamente, a pessoa mais colérica e eloquente na cólera, e a pessoa que mais gosto tinha em rir. As suas gargalhadas eram olímpicas, homéricas, históricas. Ela adorava rir e divertir-se”, descreve José Manuel dos Santos. Fernando Dacosta elogia a abrangência e profundidade do seu pensamento, salientando que a amiga se interessou pelo neorromantismo, neoclássico e por tudo o que era diferente. A peça de teatro Erros Meus, Má Fortuna, Amor Ardente, por exemplo, era sobre o Sebastianismo, que “não significa desistência, apatia e espera pelo salvador”, mas se liga, antes, a um “movimento de resistência”, salienta Dacosta. O Botequim materializava-o e assumiu uma “importância extraordinária na história de Portugal”.

Raiava a madrugada de 16 de março de 1993 quando Natália sai do Botequim e chega a casa. “Foi deitar-se, sentiu-se mal, levantou-se e depois é um mistério”. Morria um astro e Fernando ficou “suspenso de tudo”.É indescritível...”, verbaliza. Daniel Adrião sentiu um “enorme choque” e sugere que o Estado português aproveite os 30 anos da sua morte (e 100 desde o nascimento), em 2023, para a homenagear. A “enorme urgência de mudança estrutural no país” que Natália ambicionava “está por realizar”. “Era uma revolução civilizacional que elevasse os portugueses a outro patamar de cultura, ao conhecimento, educação, e ao respeito pela diferença e pelas minorias, era até o apoio institucional aos que pensam fora da caixa, aos criadores e artistas, àqueles que fazem com que o mundo avance”, conclui Daniel Adrião.

Área de esplanada e a entrada do Botequim ao fundo

Área de esplanada e a entrada do Botequim ao fundo

A Nova gerência do Botequim

Depois da morte de Natália, o bar funcionou uns meses e fechou. O espaço teve outras existências, até Hugo Santos o reabilitar e reabrir o Botequim em 2010. Ouvira falar da história, mas não lhe imaginava a dimensão. O impacto “foi surreal”, gerando-se uma roda viva de jornalistas e reportagens. “Só ouvia falar na Natália e do Botequim, ela 'viveu' mais dois ou três anos depois da reabertura”, valida. O bar continua defender a liberdade, acolhendo quem vem comer, beber, ler, trabalhar no computador ou “abrir a alma” para o amigo em conversa íntima. Foi complicado no início, os vizinhos chamavam a polícia todos os dias receando o regresso do barulho. “Nos primeiros meses tive aqui uma lanterna vermelha e as velhotas acharam que isto era uma casa de prostituição”, recorda Hugo Santos.

À imagem de Natália, Hugo também já teve de expulsar clientes por virem “levantar a grimpa” e desrespeitarem o local, a vontade ou a orientação sexual alheias. “É um espaço onde és bem recebido e, mais do que isso, onde sentes um prolongamento da tua casa”, comenta Carlos Ribeiro Silva, cliente desde o primeiro dia da nova fase. No Botequim (Largo da Graça 79, Lisboa, Tel. 218888511; encerra à quarta-feira), a cozinha abre das 11h às 02h00. Vendem-se desde cafés a refeições completas, funcionando como bar e restaurante. Forte nas opções vegetarianas, como as Saladas de couscous com seitan (€7,65) e de Ovo com queijo e cogumelos frescos gratinados (€7,65), apresenta ainda Prego em pão alentejano com ovo, queijo e molho de mostarda (€7,85), e os bons folhados: prove o de queijo de cabra com tomate e espinafres (€7,45), o de mozzarella, cogumelos e presunto (7,45) e o de seitan caseiro (€7,65), Sopa de cogumelos frescos (€2,60), tábuas de queijos e enchidos.

Prego em Bolo do Caco do atual Botequim

Prego em Bolo do Caco do atual Botequim

carlos ribeiro silva

Sara Tavares vem tomar café, Frankie Chavez e Nuno Prata já deram concertos na casa onde, por vezes, se acendem discussões sobre teatro, política, música, televisão ou o digital. Há dias em que se juntam mesas e já daí saiu um casamento. De alguma forma, a influência de Natália Correia ainda paira no ar. Hugo sente-se só um “guardião” de uma filosofia pulsante. E se há 'incultos' que estão mais “próximos do mistério do que os racionalistas”, como defendia Natália, se há mistério na criatividade, atente-se à mensagem que deixou a Fernando Dacosta na Lagoa do Fogo. Deve ser visitada às três da madrugada, “altura em que se desoculta aos iniciados”. “Sempre que vier a São Miguel, depois de eu ter morrido, suba à Lagoa do Fogo a essa hora, eu estarei lá”.

Hugo Santos, atual gerente do Bar Botequim

Hugo Santos, atual gerente do Bar Botequim

Para comemorar os 50 anos do Expresso e do Recheio, fazemos uma viagem no tempo para relembrar restaurantes que marcaram as últimas cinco décadas. Acompanhe, todas as semanas, no Boa Cama Boa Mesa.

Recorde os primeiros restaurantes desta iniciativa:

1972: O restaurante bar de Lisboa que se transformou na segunda casa do Expresso

1973: O tributo a Eusébio e uma mesa para a eternidade

1974: O Pote que ajudou a cozinhar a Revolução dos Cravos

1982: RECHEIO RECEBE DISTINÇÃO

O trabalho desenvolvido pelo Recheio dá frutos, não só com o aumento dos volumes comercializados, mas também a nível internacional. Em 1982, o Recheio recebeu a distinção de “International Food / Europe Award”, durante a Feira de Alimentação em Barcelona. Aquele que se mantém como o mais importante certame do setor agroalimentar em Espanha, e que é bienal, voltou a realizar-se em abril deste ano. Na 23.ª edição da atual “Alimentaria & Hostelco” estiveram representadas cerca de três mil companhias (400 das quais internacionais), dispersas por sete pavilhões expositivos no Fira de Barcelona Gran Via. Com o evento, demonstrou-se que a indústria da comida e hospitalidade “é um pilar da recuperação económica e internacionalização”, sublinha um press kit.

A marca Recheio surgiu no mercado em 1972. 50 anos depois, dispõe de 40 lojas e três plataformas distribuídas por todo o território nacional, mantendo como grande objetivo ir ao encontro das necessidades dos clientes ao apresentar desde os ingredientes às soluções, assumindo claramente um compromisso de estar ao lado dos empresários do canal HoReCa e retalho tradicional, contribuindo para o desenvolvimento do negócio, como um parceiro.

Acompanhe o Boa Cama Boa Mesa no Facebook, no Instagram e no Twitter!