Blitz

Rita Lee: segunda parte da autobiografia vai ser editada em Portugal e é “um murro no estômago do qual se sai com um sorriso”

Rita Lee: segunda parte da autobiografia vai ser editada em Portugal e é “um murro no estômago do qual se sai com um sorriso”

Depois de, em 2017, escrever uma autobiografia, Rita Lee avançou para a segunda parte da história da sua vida. “Rita Lee: Outra Biografia” será editado em Portugal este ano e é, segundo a editora Contraponto, que vai também reeditar a primeira biografia, “um livro fortíssimo”, baseado na sua luta contra o cancro

A segunda parte da autobiografia de Rita Lee, que a cantora brasileira, desaparecida esta semana, escreveu quando já estava doente, será editada em Portugal pela Contraponto, a mesma editora que em 2017 publicou o primeiro ‘tomo’ das memórias da artista.

À BLITZ, Rui Couceiro, da Contraponto, confirmou que a editora se encontra a “trabalhar na edição” em Portugal de “Rita Lee: Outra Biografia”, que no Brasil deverá ser publicada já este mês. Couceiro adiantou ainda que a Contraponto irá reeditar igualmente a autobiografia de 2017: “estarão as duas disponíveis no mercado dentro de algumas semanas”.

A segunda parte da autobiografia de Rita Lee centra-se nos seus últimos anos de vida, “marcados pela pandemia de covid-19 e pela luta pessoal contra um cancro no pulmão”. “Quando decidi escrever ‘Rita Lee: Uma Autobiografia’, o livro marcava, de certo modo, uma despedida da persona ‘ritalee’, aquela dos palcos, uma vez que tinha me aposentado dos shows”, explicou então, nas redes sociais.

“Achei que nada mais tão digno de nota pudesse acontecer em minha vidinha besta. Mas é aquela velha história: enquanto a gente faz planos e acha que sabe de alguma coisa, Deus dá uma risadinha sarcástica”.

Rui Couceiro contou que recebeu com espanto a notícia de que Rita Lee tinha escrito uma segunda autobiografia. À rádio Antena 3, afirmou: “Quando recebi o original, estava a entrar num avião e passei a viagem inteira a ler o livro, sem conseguir parar. Confesso que tive medo que não me agradasse tanto como a primeira, mas a verdade é que o livro é fortíssimo."

"Como muita gente, [a Rita Lee] decidiu aproveitar a pandemia para criar, [enquanto] começava a enfrentar uma fase dificílima da sua vida, ao saber que tinha cancro. E o livro é baseado nessa luta contra o cancro, durante essa fase estranha das nossas vidas, que foi a pandemia de covid. É um livro fortíssimo, com toda a honestidade que reconhecemos à Rita Lee, com muito humor, também. É um murro no estômago, mas do qual se sai com um sorriso.”

Rita Lee morreu esta terça-feira, aos 75 anos. A sua morte foi lamentada por numerosos colegas de ofício e pelo Presidente do Brasil, Lula da Silva, que decretou três dias de luto oficial.

Tem dúvidas, sugestões ou críticas? Envie-me um e-mail: blitz@impresa.pt

Comentários

Assine e junte-se ao novo fórum de comentários

Conheça a opinião de outros assinantes do Expresso e as respostas dos nossos jornalistas. Exclusivo para assinantes

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para se juntar ao debate
+ Vistas