Loading...

Política

Marques Mendes: “Professores têm carradas de razão mas deveriam suspender as greves até ao final das negociações”

No seu comentário habitual na SIC, Marques Mendes considerou os professores que se encontram em luta “têm carradas de razão”, mas “deveriam suspender as greves até ao final das negociações”. Também afirmou que o caso da Câmara de Lisboa é uma ”bomba-relógio" e que “se Fernando Medina vier a ser constituído arguido, será um tiro no porta-aviões, direto ao coração de António Costa”

Luís Marques Mendes considerou este domingo que o ministro João Gomes Cravinho tem "aparentemente uma relação difícil com a verdade".

No seu comentário habitual na SIC, Marques Mendes fez uma referência à notícia revelada pelo Expresso na edição desta semana, segundo a qual o ex-ministro da Defesa e atual ministro dos Negócios Estrangeiros terá sido informado da derrapagem nos custos do ex-Hospital de Belém no início das obras.

O comentador acusou Cravinho de ter uma relação pouco pacífica com a "verdade" e de "nada ter feito para evitar" a derrapagem. A situação, considerou, "é grave". E estamos perante um “casão, mais do que um casinho” semelhante aos que têm vindo a público nas últimas semanas envolvendo ministros, políticos e outros dirigentes. "Tudo isto sugere que [António] Costa já não controla a situação, não tem autoridade e liderança."

“Se Medina vier a ser constituído arguido, é um tiro no porta-aviões”

Sobre as suspeitas de corrupção na Câmara Municipal de Lisboa, Luís Marques Mendes referiu que
o antigo autarca da capital e atual ministro das Finanças, Fernando Medina, "fez bem em pedir para ser ouvido", mas a situação é "estranha" e “esquisita”. "Até ao momento, não vi nenhuma explicação clara e convincente sobre esta matéria".

Embora Medina não tenha sido constituído arguido, "pode vir a ser" - e se isso acontecer, "será um tiro no porta-aviões e direto ao coração de António Costa", de quem o ministro é tão próximo. "Este caso pode ser uma bomba-relógio."

Marques Mendes não considera, contudo, que faça sentido falar em demissão neste momento, embora o caso "reforce a fragilidade" do ministro das Finanças.

Se Medina pediu para ser ouvido, o mesmo deveria já ter feito Pedro Nuno Santos, apontou o comentador, referindo-se ao comunicado divulgado pelo ex-ministro das Infraestruturas e da Habitação esta semana, em que admitiu ter conhecimento da indemnização que foi paga a Alexandra Reis. Autorizou-a, inclusive.

"Ele deveria vir a público explicar melhor a situação", afirmou Marques Mendes, considerando que estes últimos desenvolvimentos no caso causaram "danos" na “imagem e estatuto político” de Pedro Nuno.

“Professores têm carradas de razão mas deveriam suspender as greves até ao final das negociações”

A luta dos professores nas ruas, com a realização de dezenas de greves e a não aceitação do acordo proposto pela tutela, foi outros dos assuntos abordados por Luís Marques Mendes no seu espaço de comentário, este domingo. "Os professores têm carradas de razão. Os salários de início da carreira têm de ser aumentados e é preciso combater a instabilidade e a precariedade", considerou. "Não há escola pública de qualidade sem professores motivados e bem pagos."

O comentador sublinhou, contudo, que se a situação não for "bem gerida" nas próximas semanas, a classe docente "pode perder a razão junto da opinião pública", especialmente junto dos encarregados de educação. Para evitar isso, “devem ponderar a hipótese de suspender as greves até ao final das negociações” e decidir se as retomam ou terminam de vez consoante o desfecho do processo negocial em curso e a satisfação, ou não, das suas exigências.

Tem dúvidas, sugestões ou críticas? Envie-me um e-mail: hrbento@expresso.impresa.pt

Comentários
Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para se juntar ao debate
+ Vídeo
+ Vistas