Política

César recorda ligações familiares no BE e defende Governo: “Não me admiro nada”

25 março 2019 13:17

Carlos César no congresso do PS, a 26 de abril de 2018, na Batalha

tiago miranda

O líder parlamentar do PS reagiu assim às palavras de Catarina Martins, que, na véspera, tinha pedido uma “reflexão aos socialistas”

25 março 2019 13:17

Nos últimos dias, as ligações familiares entre vários membros do Governo socialista tornaram-se arma de arremesso à direita e à esquerda. Para Carlos César, no entanto, a polémica é uma não questão. "Acho natural que, em determinadas famílias, onde essa vocação se multiplica, as pessoas tenham empenhamento cívico similar. Não me admiro nada que essas coisas aconteçam. O que é importante é existir transparência e competência", acredita o líder parlamentar socialista.

Mas Catarina Martins não ficaria sem resposta. No domingo, a coordenadora bloquista pediu aos socialistas uma "reflexão" sobre a "ocupação de cargos políticos por pessoas com muita afinidade". César devolveu na mesma moeda: "Fico muito surpreendido com acusações dessa natureza. Não percebo como é que o BE as pode fazer, sendo um partido onde são diretas e abundantes as ligações familiares no seu grupo parlamentar", sublinhou o socialista, à margem das jornadas parlamentares do PS em Portalegre.

O contra-ataque de Carlos César não ficaria completo sem uma referência a Marques Mendes, que descreveu toda a situação como um "abuso". "Não percebo. O seu pai foi deputado na primeira, terceira, quarta e quinta legislaturas. Marques Mendes foi ministro de cinco Governos, tendo sido deputado e líder parlamentar. A sua irmã é deputada e dirigente parlamentar...", recordou o socialista. O recado estava dado.

Quem também mereceu a resposta de Carlos César foi Rui Rio, que esta segunda-feira classificou a lista do PS às europeias como "prateleira dourada para desempregados políticos". O líder parlamentar do PS apostou na provocação. "Não sei se fica bem a Rui Rio entrar na retórica de Rangel. Se se tornarem todos iguais, não tarda que o PSD perca o eventual benefício que Rui Rio lhe queria transmitir."