Política

Europeias. Rio diz que lista do PS é uma “prateleira dourada para desempregados políticos”

25 março 2019 11:44

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

rui duarte silva

Em entrevista à Antena 1, esta manhã, o líder do PSD voltou a repetir críticas de Paulo Rangel à lista rosa às eleições europeias, titulada de depósito de ex-ministros de Sócrates e António Costa. Rui Rio afirma que um bom resultado em maio é subir o número de eurodeputados eleitos, muito bom será ganhar

25 março 2019 11:44

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

Em entrevista esta segunda-feira à Antena 1, Rui Rio coloca alta a fasquia do partido na corrida às eleições europeias, adiantando que um resultado muito bom “é ganhar” e “bom” será subir o número de eurodeputados, ou seja, mais do que os seis atuais, o pior resultado de sempre do PSD.

Pouco mais de um ano depois de ter sido eleito presidente dos sociais-democratas, Rio lembra que nunca perdeu uma eleição, embora refira que ninguém tem carisma sem perder alguma vez. “Já estive em minoria muitas vezes na vida, fui criticado, situações que para mim são um tempo de maturação”, diz.

Questionado sobre as listas para as eleições de maio, o líder laranja não poupou, tal como Paulo Rangel, cabeça de lista do PSD, críticas aos socialistas, que acusa de irem a votos às eleições europeias com um “depósito de ex-ministros de Sócrates e Costa”. E repisou ainda que a lista dos candidatos rosa afigura-se a “prateleira dourada de desempregados políticos”.

À pergunta sobre se Pedro Marques, o n.º 1 da lista do PS, será uma boa opção para comissário europeu, Rui Rio acabou por afirmar não perceber a escolha: “Não compreendo. Só se foi por ter tido um desempenho fraco enquanto ministro”. Uma crítica que estendeu ao Governo, por ter falhado no investimento público e na baixa taxa de execução”, inferior, adianta, ao do Governo PSD/CDS, no período de constrangimento da troika.

Apesar das críticas do PSD/Açores, que já avisou não irá fazer campanha às eleições inconformado com a não recandidatura de Mota Amaral em lugar elegível, o responsável do PSD diz “não perceber a animosidade” numa região conhecida pela “sensatez”, mas “que isso passa”.

Rio considera que a lista laranja é “boa, ”equilibrada”, com representantes do Norte, Centro e Sul e de uma zona ultraperiférica (Madeira). “Não podíamos colocar o Dr. Mota Amaral em oitavo lugar. Teria de ser em segundo ou terceiro, e tal não era possível”, frisa, lembrando que aos Açores foi dado o oitavo lugar numa lista que, acredita, tem possibilidade elevado de eleger o sétimo ou o oitavo lugar.

Sobre o próximo ato eleitoral, Rio afirma ainda que o partido fez uma renovação de 50% dos candidatos, sendo que o maior sinal da vontade de renovar é a de ter como n.º 2 Lídia Peralta, de 28 anos, “uma profissional de sucesso não área da economia, que não é fácil”.