A Beleza das Pequenas Coisas

Maria Teresa Horta: “Há quem me veja como uma escritora maldita”

8 novembro 2019 12:59

Bernardo Mendonça

Bernardo Mendonça

Entrevista

Jornalista

Joana Beleza

Joana Beleza

Edição àudio

Tiago Miranda

Tiago Miranda

Fotografia

Fotojornalista

A poesia é para ela uma urgência. Feminista, insubmissa e uma das poucas poetisas portuguesas a afirmar o desejo na sua escrita, Maria Teresa Horta sempre lutou pela liberdade. É autora de obras polémicas, como “Ambas as Mãos sobre o Corpo”, “Minha Senhora de Mim” e “Novas Cartas Portuguesas” (esta última assinada com Maria Isabel Barreno e Maria Velho da Costa, conhecidas como “As Três Marias”), que escandalizaram o Portugal puritano e valeram à escritora um espancamento na rua e a quase prisão. Diversas vezes premiada, publica agora “Quotidiano Instável”, que reúne as crónicas que escreveu no jornal “A Capital” entre 1968 e 1972. Um quase romance, que descola da realidade para contar vida(s). E aqui neste episódio em podcast a poetisa conta algumas páginas do livro que a sua vida daria

8 novembro 2019 12:59

Bernardo Mendonça

Bernardo Mendonça

Entrevista

Jornalista

Joana Beleza

Joana Beleza

Edição àudio

Tiago Miranda

Tiago Miranda

Fotografia

Fotojornalista

Maria Teresa Horta ainda acorda de madrugada sobressaltada por uma ideia poética, levanta-se como uma mola e, sem incomodar o marido, escreve quase às escuras “uns hieróglifos” para não deixar a poesia fugir.

O gosto pela escrita vem de sempre. Aprendeu a ler aos 5 anos e, nesses primeiros tempos, o refúgio era o escritório do pai, repleto de livros e histórias. Era a sua avó que lhe lia todos os livros que queria. Curiosamente no meio de centenas de obras literárias, nenhum era assinado por uma mulher. Pode uma mulher ser escritora? - questionou-se Maria Teresa Horta durante anos. Mas decidiu sê-lo, porque não se imaginava de outra maneira.

Começou a escrever poesia aos 12. E foi a poesia que a salvou do sofrimento, da incompreensão, da banalidade, de um certo quotidiano insuportável. Filha mais velha, a que deveria ter sido um rapaz e tinha um anjo azul por cima da cama, publicou o primeiro livro aos 20 anos, “Espelho Inicial”. Fez parte do movimento Poesia 61, e enquanto apreciadora de cinema foi a primeira mulher cineclubista em Portugal.

A sua relação íntima com a escrita fê-la iniciar uma carreira como jornalista em 1967 no jornal “A Capital” e DN, quando as redacções eram lugares de homens e as mulheres não eram lá vistas com bons olhos. Mas Maria Teresa Horta nunca se deixou ficar no espacinho menor destino às senhoras de família. Sobre esses tempos, podemos ler agora o livro de crónicas “Quotidiano Instável”, nome tomado à coluna que Maria Teresa Horta assinava no suplemento «Literatura e Arte» do jornal A Capital, entre 1968 e 1972. E o que começou por ser um espaço de crónicas, acabou por assumir progressivamente um carácter ficcional. Textos que acabam por prenunciar o primeiro romance da escritora, “Ambas as Mãos sobre o Corpo”, que Eduardo Prado Coelho considerou... uma obra-prima.

Aqui falámos desse seu primeiro romance. Que constituiu um dos muitos gestos de liberdade e rebeldia que esta mulher-poetisa brava, apaixonada e insubmissa teve ao longo da sua vida, a desafiar o sistema e a ultrapassar os limites culturalmente permitidos ao género feminino. E moveu-se. E com ela o (nosso) mundo.

“Ambas as mãos sobre o corpo” é um livro corajoso em que o corpo e a sexualidade feminina são retratados com uma frontalidade revolucionária e subversiva numa época em que não era permitido às mulheres a expressão e a afirmação do desejo. Foi espancada na rua por isso. E inúmeras vezes injuriada e apagada do retrato. Em Abril de 71 publicou “Minha Senhora de Mim”, voltando a enfurecer a moral e os bons costumes do regime de Salazar, que não admitia a escrita erótica às mulheres.

Volta a enfrentar de seguida outro escândalo e um processo em tribunal com as populares “Novas Cartas Portuguesas”, que escreveu com Maria Isabel Barreno e Maria Velho da Costa - autoras que passaram a ser internacionalmente conhecidas como “As três Marias”. Um livro histórico - acusado de “pornografia”, “obscenidade”, “atentado à moral pública” - que assumiu um papel central na queda da ditadura dirigida por Marcelo Caetano.

Mulher de princípios e de uma só cara, em 2012, quando Maria Teresa Horta foi distinguida com o prémio D. Dinis pelo romance “As Luzes de Leonor”, recusou receber o galardão das mãos do então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho. Na ocasião afirmou que não ficaria de bem consigo se recebesse o prémio das mãos de uma pessoa que estava empenhada em destruir o país.

E há dois anos recusou o Prémio Literário Oceanos atribuído a escritores de língua portuguesa, em protesto por ter ficado em quarto lugar (ex-aequo). Na altura, Maria Teresa premiou o júri com as seguintes palavras: “Caros senhores, sois livres de dar a aplicação que vos aprouver aos 15 mil reis [3870 euros] que me caberiam, não fosse esta inultrapassável questão que se me coloca e dá pelo nome de... dignidade.”

Aqui podem ouvir uma longa conversa em podcast com uma mulher sem idade, e sem medo, que tem como grande busca a beleza. Das pequenas e das grandes coisas. É isso que mais a emociona e mais persegue. Mantemos o desafio a todos os ouvintes que enviem as suas opiniões, sugestões, histórias e comentários para abelezadaspequenascoisas@impresa.pt

E juntem-se a nós no sábado, dia 9 de Novembro, às 17h30, no espaço Fábrica Features Lisboa, no Chiado. Os lugares sentados estão esgotados, mas havemos de arranjar maneira de conseguir espaço para todos. Contamos convosco por lá.

Até para a semana. Pratiquem a empatia. E boas conversas!

Assinar no iTunes: http://apple.co/2mCAbq2

Assinar no Soundcloud: http://bit.ly/2nMRpRL

Estamos também no Spotify. Se usar Android, basta pesquisar A Beleza das Pequenas Coisas na sua aplicação.