Economia

Salesforce junta-se à onda de despedimentos nas tecnológicas

4 janeiro 2023 17:01

edward badham

Netflix, Twitter, Meta e Amazon despediram ao longo de 2022. Agora chega a vez da Salesforce anunciar que se livrará de 10% da sua força de trabalho

4 janeiro 2023 17:01

A Salesforce, empresa especializada no desenvolvimento de aplicações de gestão de clientes (CRM), anunciou planos de demitir cerca de 10% da sua força de trabalho, noticia o “Financial Times”. É mais uma tecnológica a recorrer aos despedimentos numa altura de desaceleração económica.

O grupo de software, que tinha cerca de 73.541 funcionários no final de janeiro de 2022, disse que também vai fechar alguns escritórios como parte de seu plano de reestruturação para melhorar as margens operacionais.

“O ambiente continua desafiador e os nossos clientes estão a adotar uma abordagem mais ponderada nas suas decisões de compra”, disse Marc Benioff, presidente executivo, em carta aos funcionários, esta quarta-feira, citada pelo jornal.

Além do mais, nos últimos meses, a empresa tem estado sob pressão de um hedge fund, que assumiu uma participação no ano passado, e quer que a empresa aumente as suas margens. E em novembro o copresidente executivo, dois diretores de produtos e o presidente executivo da aplicação de mensagens Slack (que pertence à Salesforce) saíram da empresa.

Segundo o jornal, a Salesforce espera ter custos até 2,1 mil milhões de dólares com o plano de reestruturação. Deste total, até 1,4 mil milhões deverá estar ligado a indemnizações, benefícios e outros custos associados às mudanças de funcionários.

Os funcionários afetados receberam um e-mail esta quarta-feira. Pelo menos nos Estados Unidos terão direito a cinco meses de salário, seguro de saúde e outros benefícios e, segundo Benioff, os funcionários fora dos Estados Unidos receberão um tratamento semelhante.

A reestruturação deverá ficar concluída até ao final do ano fiscal de 2024.

A medida ocorre quando várias tecnológicas anunciaram despedimentos nos últimos meses. A maior parte dos anúncios de despedimentos vindos das ‘grandes’ empresas chegaram em novembro, altura em que a Amazon disse que iria despedir cerca de 10 mil funcionários (e que vão continuar em 2023) e a Meta, dona das redes sociais Facebook e Instagram, anunciou o despedimento de mais de 11 mil trabalhadores. Também o Twitter e a Netflix despediram em 2022.