Blitz

Vale a pena ler de novo. A fabulosa vida de Mário Barreiros, o músico que sempre quis fugir das luzes mas acabou a tocar com toda a gente

1 janeiro 2023 13:00

Mário Barreiros

arquivo pessoal

Começou aos 7 anos e aos 10 já dava concertos. Fez parte de Mini-Pop, Jafumega e Bandemónio. Produziu os maiores sucessos de Da Weasel, Silence 4 e Pedro Abrunhosa. Partilha relíquias de Prince em Minneapolis, Brian Eno em Londres ou cantorias em Matosinhos. Músico exímio, dedicado ‘jazzman’, contador de histórias. Neste final de 2022, republicamos não apenas uma entrevista de vida, mas sim um desfile de memórias de meio século de pop/rock em Portugal. Vale a pena (re)ler

1 janeiro 2023 13:00

Tem um currículo incrível: tocou em discos de José Mário Branco ou Vitorino, deixando marca nos terrenos da música popular de intervenção, fundou os Jafumega, integrou a banda de Rui Veloso, esteve ao lado de Pedro Abrunhosa desde o início, produziu Silence 4 e embarcou na aventura The Gift, ligando o seu nome também a alguns dos maiores sucessos do pop-rock nacional. Ganhou fama como produtor, levando nomes como Da Weasel ao topo das tabelas, trabalhando lado a lado com Mario Caldato, Jr, produtor de Beck e Beastie Boys. Deu por si a cantar à mesa com Brian Eno... Histórias incríveis de uma vida cheia de aventuras e de dedicação plena à música. “Sou sideman”, garante, sempre a tentar fugir dos holofotes. De forma muito discreta, acaba de lançar "Dois Quartetos Sobre o Mar", projeto em que trabalha com dois diferentes quartetos de jazz e em que reclama espaço numa área a que sempre esteve ligado: ajudou a fundar a Escola de Jazz do Porto, tocou com gente como Maria João, Rão Kyao ou António Pinho Vargas. Num pequeno restaurante em Espinho, na esplanada sob o sol de Inverno, Mário Barreiros desfiou o seu novelo de ricas memórias.