Saúde

OMS declara fim da pandemia de covid-19 como emergência sanitária global

Um passageiro na estação de comboios de Wuhan, já em dezembro de 2022, dois anos depois dos primeiros casos de covid-19
Um passageiro na estação de comboios de Wuhan, já em dezembro de 2022, dois anos depois dos primeiros casos de covid-19
STR

Organização Mundial da Saúde declarou ao início da tarde desta sexta-feira o fim da expansão mundial do vírus da covid-19. Em Portugal, os primeiros casos foram identificados no dia 2 de março de 2020

É mesmo verdade: a pandemia acabou ou, usando os mesmos termos da Organização Mundial da Saúde (OMS), deixou de ser uma emergência global. Depois de quase sete milhões de mortes e mais de 765 milhões de infeções em todo o mundo, a OMS declarou ao início da tarde desta sexta-feira o fim da expansão mundial do coronavírus responsável pela covid-19.

A decisão significa, na prática, que o coronavírus pandémico e a covid-19 são agora um agente infecioso e uma doença respiratória sazonal, tal como a gripe, o vírus sincicial respiratório, entre outros. Dito de outra forma, o SARS-Cov-2 juntou-se ao conjunto de vírus respiratórios que, sobretudo nos meses frios, circula e infeta na comunidade.

Três anos e dois meses depois da notificação do primeiro caso em Portugal, a 2 de março de 2020, as autoridades nacionais de saúde podem respirar. O vírus matou 26 mil pessoas em Portugal e infetou mais de metade, 5,5 milhões, dos portugueses.

A vacinação foi uma das armas mais eficazes contra a infeção e Portugal um dos países com a maior taxa imunização. No globo, foram já administradas mais de 13 mil milhões de doses da vacina.

Por entrar para o conjunto dos vírus respiratórios responsáveis pelas infeções sazonais de outono e inverno, é expectável que a vacina contra a covid passe a ser administrada, a par com a proteção contra a gripe, aos grupos de risco.

“A covid mudou o nosso mundo e mudou-nos a todos”, sublinhou Tedros Ghebreyesus, diretor da OMS. “Se todos voltarmos a ser como éramos antes da covid-19, não teremos aprendido as suas lições e teremos falhado com as gerações futuras.”

Tem dúvidas, sugestões ou críticas? Envie-me um e-mail: varreigoso@expresso.impresa.pt

Comentários

Assine e junte-se ao novo fórum de comentários

Conheça a opinião de outros assinantes do Expresso e as respostas dos nossos jornalistas. Exclusivo para assinantes

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para se juntar ao debate
+ Vistas