Sociedade

Perguntas para 2023: o que vai fazer a Direção Executiva do SNS? O que resultará do relatório dos abusos na Igreja? E ficaremos mais pobres?

1 janeiro 2023 10:35

Carla Tomás

Carla Tomás

textos

Jornalista

Hugo Franco

Hugo Franco

textos

Jornalista

Isabel Leiria

Isabel Leiria

textos

Jornalista

Joana Ascensão

Joana Ascensão

textos

Jornalista

Joana Pereira Bastos

Joana Pereira Bastos

textos

Jornalista

Raquel Albuquerque

Raquel Albuquerque

textos

Jornalista

Raquel Moleiro

Raquel Moleiro

textos

Jornalista

Aqui estão as grandes incógnitas para 2023 a que a secção de Sociedade do Expresso pretende responder

1 janeiro 2023 10:35

Carla Tomás

Carla Tomás

textos

Jornalista

Hugo Franco

Hugo Franco

textos

Jornalista

Isabel Leiria

Isabel Leiria

textos

Jornalista

Joana Ascensão

Joana Ascensão

textos

Jornalista

Joana Pereira Bastos

Joana Pereira Bastos

textos

Jornalista

Raquel Albuquerque

Raquel Albuquerque

textos

Jornalista

Raquel Moleiro

Raquel Moleiro

textos

Jornalista

O que vai mudar a direção executiva do SNS?
Em entrevista em novembro, Fernando Araújo dizia que “a principal tarefa desta direção executiva é recuperar a confiança dos profissionais e dos utentes”. O diretor-executivo do SNS quer reduzir a independência das peças do sistema — hospitais, centros de saúde, centros de cuidados continuados — para que o todo funcione como uma rede articulada. Para isso, propõe-se aumentar a organização e o planeamento, contando com um orçamento para a saúde 10% acima do de 2022. A dúvida é se o apoio político se mantém quando chegar a contestação.

Acesso às urgências vai ser mais restrito?
Parece que sim. A direção executiva do SNS tem testado um modelo de abertura de centros de saúde ao fim de semana para aliviar as urgências hospitalares. É preciso equipar os centros de saúde, aumentar o encaminhamento dos doentes para lá e fortalecer as alternativas, como o SNS24, para que as pessoas não se dirijam ao hospital, a menos que tenham de facto uma situação urgente em mãos — e estas não chegam a 60%.

Este é um artigo do semanário Expresso. Clique AQUI para continuar a ler.