Sociedade

Incêndios: Governo declara situação de alerta entre domingo e terça-feira

19 agosto 2022 13:48

Carla Tomás

Carla Tomás

Jornalista

getty images

Anúncio foi feito pelo ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, que também anunciou o reforço de vigilância e patrulhamento para controlar uso indevido do fogo

19 agosto 2022 13:48

Carla Tomás

Carla Tomás

Jornalista

Devido às previsões de tempo quente e seco (com temperaturas acima dos 40º) e ventos fortes que podem avançar a mais de 40-60 km por hora, o Governo declarou que o território continental português se encontra em estado de alerta entre 21 e 23 de agosto, ou seja entre domingo e terça-feira. O anúncio foi feito esta sexta-feira, pelo ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, após uma reunião na sede da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), em Carnaxide.

No final deste período, na tarde de terça-feira, 23 de agosto, será realizada uma reunião para definir se o estado de alerta é mantido.

O governante anunciou ainda a autorização da contratação de mais 500 bombeiros e o reforço do patrulhamento com mais 25 equipas das Forças Armadas e da GNR. Este reforço está relacionado com a necessidade de dissuadir comportamentos indevidos de uso do fogo no espaço rural.

José Luís Carneiro sublinhou que "64% dos incêndios se devem a uso do fogo [como queimas e queimadas] e uso de maquinaria em espaço florestal e agrícola". A declaração do estado de alerta reforça por isso os termos de proibição de uso de maquinaria e de outros trabalhos em espaços agrícolas e florestais.

"O combate ao incendiarismo é uma prioridade", disse o ministro, esclarecendo que "o incendiarismo duplicou" de 13% para 26% das causas, entre julho e agosto.

O reforço do patrulhamento dissuasor deve-se a estas duas razões, que no seu conjunto são responsáveis por 90% das ignições.

O ministro da Administração Interna também anunciou a antecipação de pagamento de um milhão de euros às associações de bombeiros voluntários. E lembrou que "é preciso avaliar o desgaste dos meios humanos e materiais no terreno" e "facilitar a mobilização dos bombeiros voluntários que trabalham em serviços públicos e privados".

Na próxima segunda-feira está marcada uma reunião de representantes de vários ministérios com os autarcas dos concelhos afetados pelo incêndio que devastou um terço da Serra da Estrela e que é o maior do ano, tendo já consumido mais de 25 mil hectares e que ainda não foi declarado extinto, mantendo-se por isso sob vigilância.