Sociedade

Fogo levou 30% da serra da Estrela

19 agosto 2022 14:01

Carla Tomás

Carla Tomás

texto

Jornalista

Tragédia ambiental. Só na serra da Estrela ardeu cerca de um terço do que as chamas consumiram este ano em todo o país

19 agosto 2022 14:01

Carla Tomás

Carla Tomás

texto

Jornalista

Com uma nova onda de calor a chegar ao interior centro e norte e os ventos de leste a começarem a soprar nos próximos dias, é cedo para dar como extinto o grande incêndio que devastou durante 12 dias cerca de 25.319 hectares na serra da Estrela, consumindo mais de um quarto do Parque Natural.

Os dados do Sistema Europeu de Incêndios Florestais (EFFIS) indicam que as chamas devastaram nesta área protegida quase tanto como o que destruíram em todo o país em 2021 (cerca de 27 mil ha) e cerca de um terço do total ardido em todo o território (90 mil ha) entre 1 de janeiro e 18 de agosto. Na quarta-feira à noite, a Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANEPC) dava o incêndio como “dominado”. E na manhã de quinta indicava ter circunscrito um perímetro de 160 quilómetros, mantendo mais de mil operacionais no terreno e 14 máquinas de rasto, e reforçado os trabalhos de rescaldo nos pontos quentes ainda existentes. Segundo o comandante nacional André Fernandes, a área “vai continuar sob vigilância para garantir que qualquer reativação seja prontamente combatida”.