Política

Costa Silva, um novo António Borges. Em 2012, António Costa achou “um escândalo”

2 junho 2020 0:21

nuno fox

O convite a Costa Silva para preparar um plano de recuperação económica imita o que Passos Coelho fez em 2012 quando chamou António Borges para consultor em áreas-chave do Estado. Na altura, António Costa era comentador e não gostava de ‘paraministros’

2 junho 2020 0:21

"Isto permite-nos ter uma melhor coordenação de toda a agenda de transformações estruturais que queremos concretizar". A frase não é do atual chefe do Governo, é do anterior, mas encaixa nos pressupostos do convite que António Costa fez ao administrador da Partex para preparar um programa de recuperação económica para o país. Em 2012, Pedro Passos Coelho fez o mesmo com António Borges, a quem entregou três dossiês habitualmente tutelados pelo ministro da Economia - privatizações, reestruturação do sector empresarial do Estado e renegociação das PPP. Um poder imenso que colocou na testa de Borges o rótulo de 'paraministro' - um artigo no Expresso titulava "António Borges, o 12º ministro" - e António Costa, na altura comentador no programa da SIC Quadratura do Círculo, não gostou.