Internacional

Nagorno-Karabakh: dois anos depois, espectro da guerra volta a pairar nas montanhas do Cáucaso

14 setembro 2022 15:21

José Pedro Tavares

José Pedro Tavares

Correspondente em Ancara

Soldados arménios em movimentações, nos arredores da cidade de Stepanakert, na região de Nagorno-Karabakh, em 2020

alexander nemenov / afp / getty images

Confrontos entre tropas da Arménia e do Azerbaijão esta semana causaram dezenas de mortos. Reacendimento do conflito poderá ser um efeito secundário da guerra na Ucrânia

14 setembro 2022 15:21

José Pedro Tavares

José Pedro Tavares

Correspondente em Ancara

Menos de dois anos depois da assinatura de um acordo de cessar-fogo, patrocinado pela Rússia, entre a Arménia e o Azerbaijão, que pôs fim à curta, mas sangrenta guerra por causa do enclave de Nagorno-Karabakh no outono de 2020, os combates voltaram às montanhas do Cáucaso. Esta terça-feira, bombardeamentos com drones, barragens de artilharia e combates ao longo da linha de fronteira entre esses dois países causaram a morte a pelo menos 49 arménios, militares e civis. Yerevan e Baku trocam acusações: a Arménia acusa o Azerbaijão de iniciar as hostilidades, e de tentar avançar sobre as suas posições na fronteira, algumas das quais foram já conquistadas pelas forças azeris. Já o ministério da Defesa em Baku emitiu um comunicado dizendo que estava apenas a responder “às violações do cessar-fogo por parte da Arménia nos distritos de Dashkesan, Kelbajar e Lachin, depois das suas tropas terem sido alvo de atos subversivos de grande escala, incluindo fogo de morteiros”.