Internacional

Buscas na mansão de Trump: autoridades encontraram pastas confidenciais que estavam vazias

2 setembro 2022 18:51

Donald Trump

brandon bell

Um inventário detalhado do material apreendido nas buscas a uma casa do antigo Presidente norte-americano mostra que foram encontradas pastas vazias marcadas como confidenciais

2 setembro 2022 18:51

Os agentes do FBI que realizaram buscas na mansão de Donald Trump em agosto passado encontraram dezenas de pastas vazias marcadas como confidenciais, segundo revela um documento tornado público por um tribunal da Flórida. De acordo com a BBC, nesse documento é apresentado um inventário do conteúdo de 33 caixas que foram recuperadas da mansão em Mar-a-Lago do antigo Presidente norte-americano.

O tribunal também revela que alguns arquivos secretos foram recuperados do escritório pessoal de Donald Trump. O antigo chefe de Estado dos EUA está a ser investigado por ter desviado documentos confidenciais, mas já rejeitou o envolvimento em quaisquer irregularidades. Entre os itens recuperados da arrecadação durante as buscas de 8 de agosto estavam três documentos marcados como confidenciais, 17 documentos marcados como secretos, sete documentos com a indicação de ultrassecretos, 43 pastas vazias com etiqueta de ‘classificados’ e 28 pastas vazias, cujo rótulo especifica: “Devolver ao Secretário de Estado-Maior/auxiliar militar".

O Departamento de Justiça avaliou não haver nenhum espaço seguro na mansão de Trump capaz de guardar segredos tão sensíveis do Governo e abriu uma investigação criminal focada na retenção desses documentos, e a juíza norte-americana Aileen Cannon ordenou, na quinta-feira, que o inventário mais detalhado fosse tornado público, depois de um pedido da equipa do político republicano.

Mistura de bens pessoais e documentos classificados descrita como “preocupante”

Os Presidentes dos Estados Unidos da América devem, segundo a lei, transferir todos os seus documentos e e-mails para os Arquivos Nacionais. O Departamento de Justiça está a investigar se Trump se apossou dos documentos indevidamente, levando-os da Casa Branca para a mansão em Mar-a-Lago, depois de ter abandonado o cargo, em janeiro de 2021.

Os procuradores afirmam que Trump e a respetiva equipa de advogados não entregaram documentos relevantes por iniciativa própria, nem conteúdos que terão sido “provavelmente ocultados ou removidos”, num esforço para dificultar a investigação.

Donald Trump rebate as alegações, argumentando que já tinha ‘desclassificado’ os documentos que estavam na mansão, e que os os arquivos foram mantidos em segurança na arrecadação em Mar-a-Lago.

O inventário dado a conhecer nesta sexta-feira expõe uma realidade bem diferente: os agentes do FBI recuperaram cerca de 1500 documentos do escritório do antigo Presidente dos EUA, bem como pastas rotuladas com a indicação “classificado” que estavam vazias. O processo judicial em curso revela que muitos documentos foram misturados com objetos pessoais, incluindo roupas, livros e jornais.

Taylor Budowich, porta-voz de Trump, afirma que o documento não selado mostra que as ações do Governo atual "não foram buscas e recuperação cirúrgica e restrita", mas "um ESMAGAMENTO".

A Lei de Registos Presidenciais exige que todos os ocupantes da Casa Branca devolvam documentos presidenciais assim que deixem o cargo.