Projetos Expresso

“Se derem voz às crianças, nós ouvimos”

29 novembro 2021 14:02

Sara Roma (11 anos, à esq.) e Afonso Romão (9 anos, à dir.) falaram sobre os benefícios das sessões de inteligência emocional na Fundação CEBI, em Alverca

nuno fox

Infância. Pais e filhos realçam a importância de desenvolver a inteligência emocional. É um de quatro exemplos de 27 associações com propostas inovadoras para o bem-estar dos mais novos

29 novembro 2021 14:02

Afonso, nove anos, tem centenas de bilhetes escritos por ele guardados em casa. Porquê? Porque foi uma das técnicas que aprendeu nas sessões de inteligência emocional para “animar os colegas quando estão mais raivosos”, conta. Desde o 3º ano de escolaridade que Afonso é um dos 502 alunos que atualmente fazem parte do programa de inteligência emocional da Fundação CEBI, em Alverca, que se estende do pré-escolar ao 6º ano, para ajudar os mais novos (e os pais) a lidarem com as facetas mais difíceis e stressantes do crescimento. “Enquanto mãe, comecei a refletir muito”, diz Patrícia Albuquerque, a mentora do projeto. As dúvidas normais com que lidava, comuns à maioria de pais e filhos, pareciam parte da rotina, mas a responsável encarou a possibilidade de desenvolver algo diferente. O projeto arrancou em 2019 com sessões quinzenais e um psicólogo presente nas turmas participantes. “Começaram a perceber melhor as emoções e a encontrar estratégias para lidar com elas” naquele que é um espaço para as crianças “dizerem o que sentem” e terem “voz ativa na escola”. O que se reflete num melhor entendimento com os pais, pois ninguém “nasce formado em parentalidade”, atira.

O projeto continuou de forma ininterrupta durante a pandemia e, com os resultados positivos verificados, surgiu a ideia da plataforma que vai transportar o programa para a esfera digital. A diretora coordenadora da Fundação CEBI, Carla Vieira Gil, não tem dúvidas de que pode ser “escalável e replicável” a nível nacional. É um upgrade, como lhe chama, que permitirá divulgar junto de mais pessoas os “exemplos de parentalidade positiva” e a comunicação entre “diferentes agentes educativos”.
“Gosto de falar”, revela Afonso, para a seguir acrescentar que está a aprender a “dizer coisas que gosta, a pensar coisas positivas e a não ligar ao que os outros dizem”. O pai, Hélder Romão, é rápido a realçar as diferenças que notou na atitude do filho desde que faz parte do programa, até porque não adivinha o que lhe “vai na cabeça”. Agora considera que “está também na escola” e a ver por um novo prisma a importância da comunicação: “Se derem voz às crianças, nós ouvimos.” Já Raquel Roma relata que a filha chegou a casa com “perguntas novas”, que Sara explica ter sido o “exercício de autoconhecimento”. As sessões têm sido “interessantes”, diz, até porque “existem valores que precisamos de saber”.

Voluntariado, alimentação e desporto

Outro dos vencedores do Prémio BPI Fundação “la Caixa” Infância (cuja lista completa pode conhecer em baixo) foi o projeto Carry, promovido pela Pista Mágica — Voluntariado & Inovação, que “pretende promover a prática do voluntariado nas férias escolares de crianças e jovens em situação de pobreza através do desenvolvimento pessoal e vocacional”, explica a responsável, Filipa Pisco. O objetivo é que se revelem “talentos e novas oportunidades, como uma ação de apoio socioeducativo informal e formal”.

Já o projeto Cartão Cabaz, da Acreditar, “disponibiliza um cartão de supermercado a famílias de crianças com cancro e economicamente fragilizadas”. Explica Paula Andrade que “o cartão é carregado mensalmente com um valor proporcional ao número de elementos do agregado, enquanto a necessidade de apoio se mantiver. Com o prémio, este apoio chegará a 86 famílias”, garante.

Inserido na Pressley Ridge — Associação de Solidariedade Social, surge o Surf.Art, como uma resposta que, segundo Nuno Fazenda, “promove e desenvolve capacidades através da prática desportiva do surf” com apoio de “psicologia cognitiva comportamental”.

Uma em cada seis crianças vive na pobreza

Crianças em risco de carência social aumentaram em Portugal e a incerteza quanto ao evoluir do panorama não dá grande margem de manobra

21,9% das crianças portuguesas estão em risco de pobreza ou de exclusão social, de acordo com os dados mais recentes do Eurostat. Os números colocam Portugal sensivelmente a meio da tabela dos países da União Europeia (UE) e abaixo da média de 24,2%, o que significa que, face a 2019, houve um aumento de 22,8% no espaço comunitário. A pobreza afeta 18 milhões de crianças na UE e, em Portugal, uma em cada seis encontra-se numa situação de fragilidade económica, com Portugal a ser um dos países — a par da Itália e da Grécia — onde há uma maior relação entre a pobreza infantil e a escassez de investimento em prestações familiares, de acordo com a UNICEF. Os dados da Segurança Social apontam para mais de 1 milhão de abonos de família atribuídos em outubro de 2021 e o Orçamento do Estado para 2022 contemplava um aumento dos valores envolvidos, com os beneficiários a passarem a receber pelo menos €600 por ano, ou seja, €50 por mês.

Números que servem de aviso para uma situação que teima em persistir e que se acentuou com a disrupção provocada pela pandemia.
“Muitas crianças caíram num vazio de relações, pela infoexclusão, pelo acrescido stresse financeiro e a instabilidade social que agravou as dificuldades de muitas famílias durante a pandemia, ou mesmo por negligência dos cuidadores, intensificada pela ausência de controlo social”, acredita Nuno Fazenda, da Associação Pressley Ridge (uma de 27 associações que receberam parte dos €800 mil distribuídos na 3ª edição do Prémio BPI Fundação “la Caixa” Infância). Para o responsável, é importante também que, “como sociedade, reconheçamos que ainda não temos resposta para a grande maioria destas crianças ou, no mínimo, que as respostas são insuficientes”.

Distinguidos no Prémio Infância

  • Associação Semear Talentos, IPSS
  • Centro Comunitário de Esmoriz
  • APAC — Associação de Pais e Amigos de Crianças
  • Nuclisol Jean Piaget Associação para o Desenvolvimento da Criança, a Integração e a Solidariedade
  • Associação Poeta Aleixo
  • 9’Circos — Associação de Artes Circenses dos Açores
  • Norte Crescente — Associação de Desenvolvimento Social
  • ABLA — Associação de Beneficência Luso-Alemã
  • Acreditar
  • Associação das Aldeias de Crianças SOS de Portugal
  • Associação Humanidades
  • Associação TreeTree2
  • CEBI — Fundação para o Desenvolvimento Comunitário de Alverca
  • Centro Social Paroquial de Torres Vedras
  • Fundação Brazelton Gomes Pedro para as Ciências do Bebé e da Família
  • Fundação Champagnat
  • Fundação Salesianos
  • Pressley Ridge — Associação de Solidariedade Social
  • AEPM — Associação Equiterapêutica do Porto e Matosinhos
  • Agência Piaget para o Desenvolvimento
  • Centro Social de Ermesinde
  • Fios e Desafios — Associação de Apoio Integrado à Família
  • Pista Mágica — Associação
  • A.P.P.S.H.O. — Associação Portuguesa Promotora de Saúde e Higiene Oral
  • Centro de Assistência Paroquial de Amora
  • Cercizimbra
  • Fundação Santa Rafaela Maria

Textos originalmente publicados no Expresso de 27 de novembro de 2021