Guerra na Ucrânia

“A segunda fase da guerra começou”: por onde as tropas russas iniciaram a batalha pelo Donbas

19 abril 2022 0:34

Mara Tribuna

Mara Tribuna

Jornalista

Militares ucranianos ao longo da linha da frente em Donbas, no leste do país, a 14 de abril

anadolu agency

“Uma parte significativa do Exército russo está agora dedicado a esta ofensiva” na Ucrânia Oriental, avisou Zelensky esta segunda-feira à noite. As tropas invasoras começaram a batalha no Donbas para assumir o controlo de Donetsk e Luhansk, alertou o Ministério da Defesa ucraniano, e os ataques já estão a escalar em muitas cidades do leste do país

19 abril 2022 0:34

Mara Tribuna

Mara Tribuna

Jornalista

O alerta foi dado pelo Presidente ucraniano esta segunda-feira à noite: as tropas russas iniciaram a batalha pelo Donbas. O exército ucraniano já estava a preparar-se para uma grande ofensiva russa no leste do país desde que as forças invasoras começaram a retirar-se de Kiev e do norte da Ucrânia, no final de março.

A ameaça cada vez mais iminente já tinha sido comunicada esta tarde pelo Ministério da Defesa ucraniano. “A Rússia está a preparar-se para uma ofensiva na Ucrânia Oriental, para estabelecer um controlo total sobre o território das regiões de Donetsk e Luhansk [no Donbas] e assegurar a estabilidade do corredor terrestre com a Crimeia”, disse o porta-voz da Defesa ucraniana, Oleksandr Motuzyanyk, em conferência de imprensa.

Horas depois, a ameaça concretizou-se. “Agora podemos dizer que as tropas russas começaram a batalha pelo Donbas, para a qual se estão a preparar há muito tempo. Uma parte significativa do Exército russo está agora dedicado a esta ofensiva”, afirmou o Presidente ucraniano num discurso em vídeo. O alerta foi seguido de uma promessa: “Não importa quantos soldados sejam encaminhados para lá, vamos defender-nos. Iremos lutar. Não cederemos nada. Fá-lo-emos todos os dias”, jurou Volodymyr Zelensky.

A Rússia tem mobilizado cada vez mais tropas no leste da Ucrânia nos últimos dias. Intensificou a presença no Donbas com as forças que retirou da capital ucraniana e do norte e que deslocou, também, a partir da Bielorrússia, um país aliado de Putin. A região é especialmente estratégica por causa de Donetsk e Luhansk, territórios separatistas pró-russos que o Kremlin quer “libertar” da Ucrânia, como já disse anteriormente.

O avanço sobre o Donbas culminou então hoje. Já de manhã, “uma fase ativa da ofensiva russa começou quase ao longo de toda a linha da frente” da região, deu conta o secretário do Conselho de Segurança e Defesa da Ucrânia. Oleksiy Danilov referia-se às regiões de Donetsk, Luhansk e Kharkiv. “Os ocupantes tentaram romper as nossas defesas”, acrescentou.

Numa publicação no Facebook esta tarde, o Ministério da Defesa da Ucrânia informou que a Rússia tinha acabado de reagrupar as suas tropas para lançar a grande ofensiva no leste e que os combates estavam a intensificar-se “nas regiões de Slobozhansky [em Kharkiv] e Donetsk”. Numa outra publicação no Facebook, o Comando das Forças Armadas ucranianas disse que a principal força militar da Rússia estava concentrada em assumir o controlo de todas as regiões de Donetsk e Luhansk.

“A segunda fase da guerra começou”

A ofensiva russa escalou nomeadamente nas cidades de Kramators, Donetsk, Vugledar, Marinka e Gradiv — a cidade de Kraminna já foi tomada, como indicou o governador de Luhansk, Serhii Haidai. Durante a noite, novos ataques com mísseis russos atingiram várias cidades de Donetsk, tais como Kramators, Vugledar, Marinka e Gradiv.

De acordo com a página "Russians With Atitude", foram ainda “relatados ataques contra Mykolaiv, Kharkiv e Hulyaipole, bem como bombardeamentos pesados em toda a linha da frente do Donbas”.

Isto significa que “a segunda fase da guerra começou”, como escreveu o chefe do gabinete do Presidente da Ucrânia, Andriy Yermak, na rede social Telegram, seguido de uma mensagem de esperança: “Acreditem no nosso exército, é muito forte”.

Apesar de a grande ofensiva só ter começado hoje, os soldados ucranianos a combater no Donbas já estão “desesperados”, descreveu Christopher Miller, jornalista norte-americano correspondente na Ucrânia e Europa de leste. “Acabei de falar com um comandante ucraniano na linha da frente perto de Donetsk, no leste da Ucrânia, que disse que as suas posições estão a ser atingidas por ataques aéreos e artilharia pesada russa 14 horas por dia. Eles estão desesperados” por mais ajuda, disse no Twitter, “sem mais armas e com poucas munições”.

Não é certo quanto tempo pode durar a batalha no Donbas. Uma das hipóteses avançadas por alguns analistas é a de que a Rússia vai intensificar os combates nos próximos dias para a 9 de maio proclamar a vitória neste campo de batalha. Nove de maio assinala o Dia da Vitória da Rússia sobre a Alemanha nazi em 1945. Moscovo já anunciou, esta segunda-feira, a mobilização de 11.000 militares para o desfile.