Economia

Descontos nos combustíveis continuam em setembro, anuncia Governo

31 agosto 2022 19:38

Continuam em setembro as medidas de mitigação da subida dos preços nos combustíveis como o mecanismo de redução do ISP equivalente à redução do IVA a 13% e a suspensão da atualização da taxa de carbono

31 agosto 2022 19:38

Os descontos na gasolina e no gasóleo através da redução dos impostos, implementados para mitigar o impacto da inflação nos rendimentos dos cidadãos, irão continuar no mês de setembro, anunciou esta quarta-feira, 31 de agosto, o ministério das Finanças.

Irão continuar, assim, por mais um mês, o mecanismo de redução do imposto sobre os produtos petrolíferos (ISP) equivalente à descida do IVA de 23% para 13% e a compensação através da redução do ISP da receita adicional de IVA.

O Governo também vai manter suspensa a atualização da taxa de carbono, para compensar as emissões de combustiveis fósseis, por mais um mês, anunciou.

“Considerando todas as medidas em vigor, a diminuição da carga fiscal é de 28,2 cêntimos por litro de gasóleo e 32,1 cêntimos por litro de gasolina”, calculam as Finanças.

Ainda, no que toca ao gasóleo agrícola, “o desconto do ISP aplicável ao gasóleo colorido e marcado, com aplicações no setor primário (agricultura, aquicultura e pescas), manter-se-á inalterado em 6 cêntimos por litro no mês de setembro”, acrescenta o ministério.

Depois de um mês de agosto de acalmia no mercado petrolífero em que o barril de crude recuperou os preços pré-invasão russa da Ucrânia, os preços do petróleo subiram de forma acentuada na última semana do mês, com impacto na bomba e em particular no gasóleo.

A energia, e em específico os combustíveis, têm sido os principais fatores a alimentar a subida dos preços e a dinâmica inflacionista atual. Beneficiando de um mercado petrolífero menos quente e das medidas de mitigação do aumento dos preços, a taxa de inflação portuguesa abrandou em agosto.

Porém, a nível da zona euro, os esforços governamentais e a queda dos preços do crude não foram suficientes para evitar uma aceleração da inflação em agosto, cuja taxa subiu para 9,1%.