Exclusivo

Blitz

“Sozinha, mas empoderada”: nos bastidores da gravação do ‘Arraial Triste’ de Ana Moura, onde cabe pimba, fandango e alma fadista

O muito aguardado novo álbum de Ana Moura, “Casa Guilhermina”, chega em novembro, mas antes desvenda-se mais um capítulo da sua nova vida. A BLITZ acompanhou as gravações do videoclip da canção ‘Arraial Triste’ e falou com a artista sobre solidão, empoderamento e aulas de fandango

Ana Moura começou a desvendar o novo álbum, “Casa Guilhermina”, o sétimo da sua multiplatinada discografia, numa entrevista exclusiva ao Expresso, em maio do ano passado. Confessando que apesar de ser o primeiro passo de uma nova vida, livre das estruturas da indústria que sempre a tinham acompanhado, nomeadamente editora e management, garantiu-nos que o disco continua a espelhar a “vontade de querer descobrir coisas novas”, algo que sempre fez parte de si. De lá para cá, foi mãe pela primeira vez, adiou a edição do álbum, que chegou a estar agendado para outubro de 2021, deu os concertos que tinha agendados desde antes da pandemia e começou a apresentar o novo espetáculo, além de ter desfiado, em três canções muito diferentes – ‘Andorinhas’, ‘Jacarandá’ e ‘Agarra Em Mim’, em dueto com o companheiro e coprodutor do disco, Pedro Mafama –, as linhas ecléticas com que se cose “Casa Guilhermina”. Na entrevista, garantira-nos que não haveria “corte absolutamente nenhum” com o fado: “Este disco é tudo menos exclusão. É inclusão, é a reunião de todas as heranças que eu tenho. Vibro com o malhão e com os viras quando estou com o meu pai da mesma forma como vibro com o semba quando estou com a minha mãe”. ‘Arraial Triste’, o novíssimo single, traz consigo essa filosofia de abertura ao mundo.

Campanha Black Friday

Assine já por apenas 0,50€ por semana.

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para continuar a ler
+ Vídeo
+ Vistas