Blitz

Feist abandona digressão dos Arcade Fire após acusações contra Win Butler: "Não vou resolver nada, mas não posso continuar"

1 setembro 2022 18:40

getty images

A canadiana Leslie Feist, artista que deveria abrir os concertos da presente digressão dos Arcade Fire, anunciou que vai “voltar para casa” após as acusações de conduta sexual imprópria feitas contra o vocalista da banda, Win Butler. Deveria atuar em Lisboa este mês

1 setembro 2022 18:40

Feist, que deveria abrir os concertos dos Arcade Fire na sua presente digressão europeia, anunciou que vai abandonar a tournée, explicando numa longa mensagem que a sua decisão se prende com as acusações de conduta sexual imprópria feitas contra Win Butler, vocalista da banda.

“Estava num pub em Dublin, depois de ensaiar com a minha banda, quando li a mesma notícia que vocês”, escreveu a cantora-compositora. “Não tivemos tempo para nos prepararmos para o que aí vinha, muito menos para não atravessarmos o oceano. Isto tem sido incrivelmente difícil para mim e nem imagino para as pessoas que fizeram as acusações. Acima de tudo, quero que todos os afetados fiquem bem.”

Para Feist, o diálogo que esta notícia gerou “é maior do que eu, maior do que as minhas canções e certamente maior do que qualquer digressão. Ficar na digressão significaria que estou a defender o Win Butler ou a ignorar o mal que ele fez, e abandoná-la faria de mim o juiz [da situação]”.

“Nunca estive em palco a representar os Arcade Fire", esclarece ainda. "Toco para a minha banda, para a minha equipa, para os seus amados e para todas as nossas famílias, e para as pessoas que pagam o dinheiro que tanto lhes custa a ganhar para partilhar connosco esta sinergia coletiva que é um concerto”, afirma, lembrando que as suas decisões afetam o sustento de toda a equipa e que sabe ter muita sorte em poder viajar pelo mundo, cantando canções sobre a sua vida, os seus pensamentos e as suas experiências.

Feist diz ainda que, “como toda a gente”, já passou por situações de masculinidade tóxica, misoginia ou assédio sexual. “Esta situação toca-nos a todos e não há uma só forma de nos curarmos, nem uma só forma de reabilitar os abusadores. Não posso resolver nada abandonando a digressão, e não posso resolver nada ficando. Mas não posso continuar.”
“À minha imagem, a minha decisão é imperfeita, mas estou certa que a melhor forma de tomar conta da minha banda, da minha equipa e da minha família é afastar-me desta digressão, mas não deste diálogo. Nos dois últimos concertos, as minhas canções tomaram a decisão por mim. Ouvi-las à luz destes acontecimentos tornou-as incoerentes face ao trabalho que sempre desenvolvi ao longo da minha carreira. Sempre escrevi canções para identificar as minhas próprias dificuldades, tentar ser o melhor que pudesse e assumir as minhas responsabilidades. Então, vou assumir as minhas responsabilidades e voltar para casa”.

Os Arcade Fire têm dois concertos marcados para o Campo Pequeno, em Lisboa, a 22 e 23 de setembro. Feist era a artista da primeira parte.

Em outubro, a banda tem várias datas nos Estados Unidos, com Beck na primeira parte.