José Matos Correia

José Matos Correia

Advogado, presidente do Conselho de Jurisdição Nacional do PSD

  • Mais um formulário

    José Matos Correia

    Mais um formulário

    18.01.2023 às 9h51

    José Matos Correia

    Sem nada substantivo para apresentar e sem qualquer margem de recuo, António Costa optou por algo em que a apurada burocracia portuguesa é boa: um formulário

  • Verificação prévia

    José Matos Correia

    Verificação prévia

    11.01.2023 às 11h07

    José Matos Correia

    Se não podemos confiar num primeiro-ministro, sequer, para escolher os seus colaboradores mais diretos, como poderemos entregar nas suas mãos as tarefas da governação?

  • Não desperdicemos o que só de nós depende

    José Matos Correia

    Não desperdicemos o que só de nós depende

    04.01.2023 às 10h28

    José Matos Correia

    António Costa não parece ter entendido o alcance do repto do Presidente da República quanto à essencialidade de, em 2023, não desperdiçar o que só de nós depende. Porque apenas essa falta de compreensão pode explicar a remodelação pífia que levou a cabo

  • Um panorama sombrio

    José Matos Correia

    Um panorama sombrio

    28.12.2022 às 12h50

    José Matos Correia

    O teor, autocongratulatório e, em simultâneo, desfasado da realidade, da mensagem de Natal de António Costa, deixou bem patente a sua indisponibilidade para reconhecer os erros e, muito menos, para os corrigir

  • Tiques de autoritarismo

    José Matos Correia

    Tiques de autoritarismo

    21.12.2022 às 10h01

    José Matos Correia

    Os tiques de autoritarismo multiplicam-se. E o Governo ainda não chegou a nove meses de funções. Estranho, por isso, o silêncio do Presidente da República perante este estado de coisas

  • Equívocos acerca do referendo

    José Matos Correia

    Equívocos acerca do referendo

    14.12.2022 às 10h04

    José Matos Correia

    O voto dos cidadãos serve para eleger os seus representantes, mas já não é útil ou adequado nas situações em que os mesmos representantes considerem que o resultado pode ser, porventura, inconveniente?