Sociedade

Bento XVI pede desculpa em testamento àqueles que possa ter prejudicado

31 dezembro 2022 20:53

pool/reuters

"A todos aqueles que, de alguma forma, prejudiquei, peço perdão de coração", lê-se no documento intitulado "O meu testamento espiritual", que foi divulgado este sábado pela Santa Sé, em alemão e italiano

31 dezembro 2022 20:53

O papa emérito Bento XVI deixou um testamento espiritual em que pede "perdão de coração" àqueles que possa ter prejudicado na sua vida e exorta a igreja a "manter-se firme" na fé perante as ideias que tentam combatê-la.

"A todos aqueles que, de alguma forma, prejudiquei, peço perdão de coração", lê-se no documento intitulado "O meu testamento espiritual", que foi divulgado este sábado pela Santa Sé, em alemão e italiano.

Bento XVI, que morreu hoje aos 95 anos, inicia o documento agradecendo a Deus por tê-lo guiado em "vários momentos de confusão".

"Agradeço em primeiro lugar a Deus, dispensador de todo o bem, que me deu a vida e me guiou em vários momentos de confusão, levantando-me sempre que eu começava a resvalar, mostrando-me sempre de novo a luz do seu rosto", escreve.

O papa emérito agradece também aos pais que lhe deram a vida "num momento difícil", na Alemanha, em 1927, entre as duas grandes guerras e quando o país caminhava para o nazismo, e aos irmãos Maria e Georg.

Bento XVI, cujo nome original é Joseph Ratzinger, também expressa a sua gratidão aos "muitos amigos, homens e mulheres" que o acompanharam ao longo da vida e aos professores e alunos que teve, bem como ao seu país e à sua Baviera Natal onde, diz, viu sempre "aparecer o esplendor do Criador".

Dirigindo-se diretamente ao povo alemão escreve: "Rezo para que a nossa terra continue a ser de fé e peço-vos, queridos compatriotas, não se deixem desviar da fé".

"O que eu disse aos meus compatriotas digo agora a todos os que na igreja foram confiados ao meu serviço: permaneçam firmes na fé! Não se deixem confundir!", encoraja.

Neste sentido, Bento XVI deixa um apelo em defesa da fé contra as interpretações filosóficas e supostamente científicas que procuram apaziguá-la ou minimizar a sua importância.

"Frequentemente parece que a ciência -- as ciências naturais, por um lado, e a pesquisa histórica (em particular a exegese das Sagradas Escrituras), por outro -- são capazes de oferecer resultados inequívocos perante a fé católica", refere.

Mas, acrescenta: "Tenho visto as transformações das ciências naturais desde o tempos antigos e pude verificar como, ao contrário, desaparecem as certezas aparentes contra a fé, demonstrando não ser ciência, mas apenas interpretações filosóficas aparentemente ligadas a ciência".

A fé, assinala Ratzinger, tem dialogado com as ciências naturais e com elas "aprendeu" também a compreender "melhor o limite da dimensão das suas afirmações".

O papa emérito Bento XVI, que morreu hoje com 95 anos, abalou a Igreja ao resignar do pontificado por motivos de saúde, a 11 de fevereiro de 2013, dois meses antes de comemorar oito anos no cargo.

Joseph Ratzinger, que foi papa entre 2005 e 2013, nasceu em 1927 em Marktl am Inn, na diocese alemã de Passau, tornando-se no primeiro alemão a chefiar a Igreja Católica em muitos séculos e um representante da linha mais dogmática da Igreja.

Os abusos sexuais a menores por padres e o "Vatileaks", caso em que se revelaram documentos confidenciais do papa, foram temas que agitaram o seu pontificado.

Bento XVI classificou os abusos como um "crime hediondo" e pediu desculpa às vítimas.

O funeral de Bento XVI realiza-se na quinta-feira, na Praça de São Pedro, no Vaticano, às 9:30 locais (08:30 em Lisboa), numa celebração presidida pelo Papa Francisco.