Sociedade

Cientistas mais perto de conseguirem uma vacina universal contra a gripe, usando técnicas que tiveram sucesso com a covid

24 novembro 2022 22:25

miguel a. lopes/lusa

Testes do imunizante candidato a vacina que está a ser desenvolvido nos Estados Unidos, usando a tecnologia de RNA mensageiro, obtiveram sucesso com roedores, mas será preciso testá-lo em humanos e ainda irá demorar anos até chegar ao mercado

24 novembro 2022 22:25

A pandemia de covid-19 acabou por ter algum efeito benéfico. Pelo menos, está a servir de incentivo a que a comunidade científica consiga chegar a uma vacina universal contra a gripe, cujo vírus (influenza) tem uma prodigiosa capacidade de mudar a configuração das suas proteínas, o que leva as pessoas a ficarem infetadas sucessivas vezes, sem que o sistema imunitário consiga identificar, e consequentemente atacar, o agente agressor, com a ajuda de um único imunizante.

O projeto da vacina universal contra a gripe tem vindo a ser estudado por cientistas nos Estados Unidos e um salto quântico neste objetivo é a aplicação da tecnologia de RNA mensageiro, que se revelou ter sucesso em imunizantes contra o novo coronavírus desenvolvidos pelos laboratórios Pfizer e Moderna, e tiveram de ser feitos em tempo-recorde numa altura em que o mundo tinha urgência em encontrar soluções para a pandemia.

Os testes da vacina universal da gripe, usando a tecnologia de RNA mensageiro, obtiveram êxito nos Estados Unidos, ficando provado que o potencial imunizante oferece proteção contra 20 subtipos do vírus influenza de uma só vez - introduzindo instruções genéticas no sistema imunitário para que a própria célula hospedeira fabrique hemaglutinina, uma das proteínas que o vírus utiliza para se ligar às células, poder invadi-las e multiplicar-se no interior do organismo, conforme explica o El País,

Os resultados dos testes que obtiveram sucesso a mostrar que o imunizante candidato a vacina oferece proteção contra todas as versões conhecidas do vírus da gripe, usando as mesmas técnicas utilizadas com as vacinas covid assentes em RNA mensageiro, foram publicados na revista “Science”.

A questão é que os ensaios do imunizante que está a ser desenvolvido por cientistas da Universidade da Pensilvânia foram feitos com roedores (pequenos ratos ou furões), sendo necessário testar a tecnologia em humanos, o que ainda irá demorar alguns anos. Mas o facto de os testes já terem revelado sucesso em roedores (o que só foi possível graças à tecnologia de RNA mensageiro) é um sinal de esperança no sentido do mundo estar cada vez mais próximo de uma vacina universal contra a gripe, sem que seja necessário desenvolver imunizantes diferentes a cada inverno.