Sociedade

Diretor de informação da TVI/CNN apanhado de surpresa com saída de Judite de Sousa: "Tivemos conhecimento ontem nas redes sociais"

2 agosto 2022 15:13

A jornalista e pivot da TVI/CNN relevou, nas redes sociais, que denunciou o seu contrato há um mês e meio. O diretor de informação dos canais garante não ter tido conhecimento, até ter sido surpreendido pelas redes sociais. Nuno Santos também quis dar resposta a um "canal de televisão", sem especificar qual e que terá um ajuste de contas a fazer com a TVI

2 agosto 2022 15:13

Foi no programa "Dois às Dez", e também, depois, durante o "Jornal da Uma", que Nuno Santos, diretor de informação TVI/CNN, comentou a controvérsia que tem gerado o anúncio da jornalista e pivô Judite de Sousa, depois de esta ter partilhado que está de saída do canal de televisão CNN Portugal. A jornalista escreveu nas redes sociais que “denunciou”, há um mês e meio, o contrato com o canall. Em resposta a uma seguidora, Judite de Sousa escreveu: “Denunciei o meu contrato a recibos verdes há mês e meio." A desfrutar o sossego de não ser mais uma figura pública", escreveu, rematando: "Há um mês e meio que sou uma cidadã portuguesa que faz a sua vida e paga os seus impostos."

A comunicação, feita "de uma forma tão inusitada", de acordo com Nuno Santos, motivou os esclarecimentos da direção de informação dos canais."Surpresa absoluta" e sentimentos de "indignação e revolta, que é partilhado pela generalidade das pessoas", foram assumidos pelo diretor, que garantiu ter mantido até ao momento o "recato", em respeito à experiência e préstimos profissionais de Judite de Sousa, bem como à sua "fragilidade".

"A saída da Judite [referindo-se à jornalista Judite de Sousa] é uma circunstância que nos deixa bastante tristes", afirmou Nuno Santos, procedendo depois a críticas a um "canal de televisão" que tem difundido falsas informações, mas sem especificar de qual se tratava.

Em primeiro lugar, defendeu o jornalista, a possível atualização da situação contratual da pivot era desconhecida da direção informativa da TVI/CNN. "Nós tivemos conhecimento ontem nas redes sociais que a Judite terá denunciado o seu contrato de trabalho. Para nós, isso foi uma novidade, porque não é essa a informação que nós temos aqui."

De acordo com Nuno Santos, "a Judite tem um contrato de prestação de serviços com a TVI e com a CNN Portugal", e encontrava-se "de baixa médica até ao dia 11 de agosto".

A direção de informação dos canais também se apressou a desmentir rumores. "Hoje têm sido incessantemente repetidas notícias, por exemplo, que dão nota de que, quando a Judite foi, como enviada especial, para a guerra da Ucrânia o terá feito sem seguro, o que, num teatro de guerra, é algo impensável", rejeitou Nuno Santos.

"A Judite foi para Lviv, na Ucrânia, obviamente com um seguro", disse o responsável pela direção informativa da TVI/CNN, negando que "Judite terá estado sem acesso a dinheiro, sem condições para trabalhar", e a suposta nota espalhada pelas redes sociais "e divulgada por um canal de televisão que tem, obviamente, ajustes de contas para fazer".

Nuno Santos garante também não ser verdade que a TVI/CNN não tenha colocado à disposição de Judite de Sousa "todos os meios para ela fazer o seu trabalho", e esclareceu: "A Judite escolheu a equipa com a qual quis trabalhar, (...) e nós, na direção, demos-lhe todo o apoio ao longo deste processo." O diretor de informação da TVI/CNN referiu, aliás, que o que poderia ser apontado seria o exato oposto: o "apoio excessivo, por contraponto com outros produtos".

O jornalista aponta ainda um "enorme aproveitamento e um ataque cerrado", que, segundo advoga, não tem razão de ser: as bases contratuais da pivô foram estabelecidas de mútuo acordo, e Judite Sousa teve apenas um pequeno problema de saúde, que não a impediu de trabalhar, exceto por um dia ou dois. Quando surge por uma segunda vez em direto, no "Jornal da Uma", Nuno Santos volta a sustentar que Judite Sousa propôs-se cobrir o conflito na Ucrânia: "Ela mostrou vontade de ir, e nós também."

As saídas de Judite Sousa e do jornalista Pedro Mourinho da TVI/CNN foram divulgadas esta segunda-feira à noite. O jornalista ainda não se pronunciou sobre o assunto.