Sociedade

Operação Lex: Benfica diz que foi multado quando já tinha entregado a documentação, mas há duas datas que não batem certo

15 julho 2022 20:02

Rui Gustavo

Rui Gustavo

Jornalista

soccrates images

Benfica confirma multa do STJ mas diz que já tinha enviado a informação pedida quando foi notificado do castigo. Datas das notificações enviadas pelo Supremo e recebidas pelo clube não batem certo

15 julho 2022 20:02

Rui Gustavo

Rui Gustavo

Jornalista

O Benfica emitiu esta sexta-feira um esclarecimento em que confirma a multa aplicada pelo Supremo Tribunal de justiça por não ter enviado a tempo uma informação pedida por um dos arguidos da Operação Lex: Fernando Tavares, que é vice-presidente do clube para as modalidades.

Segundo o comunicado, "a informação foi entregue, por via postal, no dia 7 de julho" de 2022. No dia seguinte, o Benfica recebia a notificação para pagar uma multa de três Unidades de Conta e uma dura repreensão do conselheiro Sénio Alves que acusava o clube de "total falta de colaboração" e de atrasar a instrução da Operação Lex. Ou seja: por um dia, o Benfica acabou por ser multado em pouco mais de trezentos euros.

No mesmo comunicado, o departamento jurídico do Benfica garante que foi notificado "a 8 de junho" para juntar informação que implicou "uma compilação superior a 500 páginas (com consulta de muitas mais) e acesso a informação dispersa e sobre várias temáticas, com mais de 5 anos, a qual se encontrava já em arquivo".

Mas o despacho do STJ a que o Expresso teve acesso refere como primeira data da notificação 9 de maio. Um mês de diferença que o comunicado não esclarece.

No despacho do STJ, é ainda referida mais uma data - 20 de junho - e o facto do Benfica nunca ter pedido mais prazo ou esclarecido porque é que não enviava a informação pedida: dados sobre a política de atribuição de lugares nos camarotes e de convites para viagens.

O Benfica diz ainda que "no requerimento em que juntou os documentos, colocou-se, como sempre faz, à disposição do Tribunal para esclarecer qualquer questão que fosse colocada no âmbito do processo, pelo que continuará a colaborar com a Justiça, como sempre fez".

A Operação Lex tem 17 arguidos, entre os quais Luís Filipe Vieira, ex-presidente da SAD do Benfica e o ex-juiz Rui Rangel, que foi candidato à presidência dos encarnados.