Sociedade

O fundador da Prozis foi “infeliz” e “ofendeu os portugueses”: Miguel Milhão, que diz ser “incancelável”, está a ser boicotado

30 junho 2022 8:34

Mara Tribuna

Mara Tribuna

Jornalista

Miguel Milhão, fundador da Prozis, no podcast interno da empresa "Conversas do Karalho"

youtube

Uma publicação anti-aborto evoluiu para uma cultura de cancelamento à Prozis. O fundador da empresa, Miguel Milhão, celebrou a decisão “Roe vs. Wade” do Supremo Tribunal norte-americano no LinkedIn e depois usou o podcast interno da empresa para reagir à polémica: “Não preciso de Portugal”, “É impossível cancelarem-me”. As críticas dirigidas ao empresário aumentaram e, como resultado, a marca está a sofrer repercussões — os especialistas ouvidos pelo Expresso consideram um erro que tenha usado uma plataforma institucional, e não pessoal, para reagir. Entretanto, em comunicado, a Prozis diz estar “solidária” e pede “respeito pela pluralidade de opiniões”

30 junho 2022 8:34

Mara Tribuna

Mara Tribuna

Jornalista

A polémica começou com uma publicação no LinkedIn, entretanto apagada. “Parece que os bebés que ainda não nasceram têm os seus direitos de volta nos Estados Unidos. A natureza está a recuperar”, escreveu o fundador da Prozis após o Supremo Tribunal dos EUA ter revertido a decisão que protegia o direito ao aborto no país, conhecida como “Roe vs. Wade”. Seguiu-se uma enchente de críticas nas redes sociais dirigidas a Miguel Milhão e o início da cancel culture à Prozis, com várias influencers a anunciarem o fim da parceria com a marca de nutrição desportiva, depois das declarações anti-aborto do fundador da empresa.