Sociedade

Banca e Governo foram os maiores alvos de ciberataques em 2021

29 junho 2022 8:54

kacper pempel/reuters

Seis das 14 áreas mais afetadas são da esfera pública e totalizam 628 incidentes

29 junho 2022 8:54

A Presidência do Conselho de Ministros (PCM), que tutela o Centro de Gestão da Rede Informática do Governo, foi, a seguir à banca, o maior alvo de incidentes de cibersegurança no ano passado. Segundo o relatório do Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS) intitulado Cibersegurança em Portugal: Riscos & Conflitos, analisado pelo jornal “Público”, a Presidência do Conselho de Ministros (PCM) foi alvo de 270 incidentes em 2021. No ano de 2020, foram registadas 41 ocorrências.

A Equipa de Resposta a Incidentes de Segurança Informática Nacional (conhecida pela sigla CERT.PT) do CNC, que regista os ataques, verificou 411 incidentes na banca. No ano passado foram 229. O ranking é organizado por “sector e área governativa”.

Cerca de dois terços dos problemas de cibersegurança registados pelo CERT.PT correspondem a entidades privadas. No entanto, no ranking que especifica as 14 áreas mais afetadas, seis são da esfera pública. Além da PCM, estiveram sob ataque informático a Administração Interna, Administração Local, Finanças, Defesa Nacional e Negócios Estrangeiros. No total somaram 628 incidentes.