Sociedade

A partir desta sexta-feira há ovelhas a pastar em Lisboa

18 dezembro 2020 8:31

Carla Tomás

Carla Tomás

Jornalista

getty images

Um rebanho com cerca de 20 ovelhas vai contribuir para a adaptação da capital às alterações climáticas. Fazem parte do projeto Life Lungs, que tem como objetivo associar o pastoreio à conservação do solo, manutenção da vegetação e fixação de carbono

18 dezembro 2020 8:31

Carla Tomás

Carla Tomás

Jornalista

As primeiras 20 ovelhas do projeto Life Lungs, coordenado pela Câmara de Lisboa e cofinanciado por Bruxelas, vão sair da Quinta Pedagógica dos Olivais, esta sexta-feira, e pastar à solta pelo Parque da Bela Vista, na capital. Esta será a primeira de 14 saídas do rebanho, previstas até maio de 2021.

A iniciativa experimental tem por objetivo “associar o pastoreio de animais à manutenção dos prados biodiversos da infraestrutura verde da cidade, e assim as ovelhas alimentam-se, fertilizam o solo e contribuem para a paisagem”, explica ao Expresso o vereador do Ambiente, Clima e Estruturas Verdes, José Sá Fernandes, lembrando também que este projeto “vem cumprir uma ideia defendida pelo arquiteto Gonçalo Ribeiro Telles”.

O projeto Life Lungs, que ganha forma no final do ano em que Lisboa ergue a bandeira de Capital Verde da Europa, foi o primeiro projeto Life ganho pela Câmara alfacinha, em 2019, e conta com um financiamento de 2,7 milhões de euros (com 55% de financiamento comunitário) para ações até 2024.

O objetivo é dar continuidade à manutenção e crescimento das estruturas verdes da cidade (parques, jardins, hortas e prados) como formas de atenuar as ondas de calor e a escassez hídrica que se projetam para um futuro próximo, tornando a cidade mais resiliente ao aumento das temperaturas e reforçando a capacidade de sumidouros de carbono. “Além de reduzir o esforço humano e o consumo de energia associados ao corte tradicional, a tarefa do rebanho é também a de potenciar os serviços de ecossistema das pastagens, aumentando a matéria orgânica do solo e a sua humidade relativa, contribuindo assim para o controlo da taxa de erosão”, acrescenta a Câmara Municipal de Lisboa.