Cinema

Festival de Veneza: uma história de solidão, a revelação Olivia Wilde e uma nota portuguesa de esperança

6 setembro 2022 13:21

Florence Pugh em “Não Te Preocupes Querida”, de Olivia Wilde

Cinco anos depois de “Três Cartazes à Beira da Estrada”, Martin McDonagh voltou a Veneza para apresentar, em competição, “The Banshees of Inisherin”, uma história de solidão e desespero. Fora de competição, e com estreia em sala a 22, foi exibido “Não Te Preocupes Querida”, um muito original ‘thriller’ de ficção científica de Olivia Wilde, atriz convertida em realizadora. Com Veneza a meio curso, chegou ainda o primeiro filme português: “Lobo e Cão”, de Cláudia Varejão

6 setembro 2022 13:21

Cinco anos depois de “Três Cartazes à Beira da Estrada”, Martin McDonagh voltou a Veneza onde apresentou, em competição, “The Banshees of Inisherin”. É uma história de solidão e desespero, filmada nas ilhas Aran, ao largo de Galway, na Irlanda, onde Pádriac vê Colm, o seu amigo de todos os dias, dizer-lhe que não quer mais nada com ele. Não tem motivo concreto, simplesmente não quer perder tempo com ele, na conversa e nos copos. Tempo, todavia, é o que aqueles ilhéus mais têm, em particular um século atrás, quando a Guerra Civil (terminada com a divisão da Irlanda em dois Estados) troava em terra firme. Mas Pádriac não se conforma com a rude ruptura que o seu parceiro de pub lhe impõe. Às insistências de aproximação do amigo, Colm vai reagir de um modo surpreendente e drástico. O filme, admiravelmente escrito, caldeia humor e dramatismo com total eficácia (já “Três Cartazes à Beira da Estrada” tocava o mesmo compasso), enquadrando a beleza rude da paisagem com a severidade dos personagens. A interpretação tem a grande mestria da escola britânica ferrada num quadrunvirato de atores especiais: Colin Farrell, Brendan Gleeson, Kerry Condon e Barry Keoghan.