Política

PSD: explicações de ex-ministro mostram "incapacidade crónica" do governo lidar com a verdade na TAP

20 janeiro 2023 23:55

Miguel Pinto Luz

josé fernandes

"Mais importante do que resolver o problema da TAP é resolver uma questão interna dentro deste governo, que é a incapacidade crónica de lidar bem com a verdade e incapacidade crónica de conviver com o escrutínio saudável em democracia", referiu Miguel Pinto Luz em declarações à agência Lusa

20 janeiro 2023 23:55

O vice-presidente do PSD Miguel Pinto Luz disse esta sexta-feira que as declarações do ex-ministro Pedro Nuno Santos sobre a TAP mostram que o governo tem problemas de comunicação internos e uma "incapacidade crónica de lidar bem com a verdade".

"Urge-se clarificar toda esta situação da TAP. Mas mais importante do que resolver o problema da TAP é resolver uma questão interna dentro deste governo, que é a incapacidade crónica de lidar bem com a verdade e incapacidade crónica de conviver com o escrutínio saudável em democracia", referiu Miguel Pinto Luz em declarações à agência Lusa.

O ex-ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, confirmou hoje que deu "anuência política" para saída da TAP de Alexandra Reis, acrescentando que foi informado "do valor final do acordo" entre as partes.

Para o dirigente do PSD, estes novos dados "são graves", lembrando que quando o ministro Pedro Nuno Santos nomeou Alexandra Reis para a presidência da Navegação Aérea de Portugal (NAV) "sabia da indemnização" de 500.000 euros.

"Portanto, sabendo da indemnização, nomeando para a NAV informou ou não as Finanças nessa altura da indemnização? É mais um dado relevantíssimo para toda a análise neste processo", vincou Miguel Pinto Luz.

Para o vice-presidente dos sociais-democratas, os esclarecimentos prestados hoje por Pedro Nuno Santos são "uma confirmação de que não há comunicação dentro do governo".

"O governo vive bem com a verdade que é às fatias, aos bochechos, a pouco e pouco, que vai encontrando verdades dentro das inverdades e encontra mais inverdades. É uma postura recorrente do governo", sublinhou ainda.

Questionado sobre o impacto que as recentes informações podem ter na comissão de inquérito à gestão da TAP, Miguel Pinto Luz salientou que o PSD "não anseia" os problemas da companhia área portuguesa.

"Agora, tendo já este histórico da verdade vir por camadas, esperamos que nesta comissão de inquérito se possa de uma vez por todas colocar a nu toda a verdade", acrescentou.

Num esclarecimento público divulgado hoje, Pedro Nuno Santos contou que foi informado do valor da indemnização de 500 mil euros: "(...) Foi encontrada ontem [19 de janeiro de 2023], por mim, uma comunicação anterior da minha então chefe do gabinete e do secretário de Estado [das Infraestruturas Hugo Mendes], de que nenhum dos três tinha memória, a informarem-me do valor final do acordo a que as partes tinham chegado".

Segundo o ex-responsável pela pasta das Infraestruturas, a chefe de gabinete e o secretário de Estado mostram-se convictos de que por "recomendação da CEO da TAP e da sua equipa de advogados e das informações que receberam dos mesmos, que não era possível reduzir mais o valor da compensação".

Ainda sobre a referida comunicação, Pedro Nuno Santos revelou que lhe foi pedida "anuência política para fechar o processo" e que a deu.

A presidente executiva da TAP, Christine Ourmières-Widener, foi ouvida no parlamento na quarta-feira, para dar explicações sobre a indemnização paga à antiga administradora Alexandra Reis, que foi posteriormente presidente da NAV e secretária de Estado.

Na audição, a responsável da TAP disse que esteve em contacto, "desde o início", com o então secretário de Estado das Infraestruturas, Hugo Mendes.