Política

Bloco de Esquerda sobre Fernando Medina e a TAP: "Toda esta história é muito estranha"

7 janeiro 2023 12:47

Bloco de Esquerda avisa PS: comissão de inquérito sobre a TAP é essencial para a legitimação do Governo

7 janeiro 2023 12:47

A coordenadora do Bloco de Esquerda considerou hoje que o PS deveria ser o primeiro a querer uma comissão de inquérito parlamentar sobre a TAP, alegando que o esclarecimento é essencial para a legitimação do próprio Governo.

Catarina Martins falava aos jornalistas em Lisboa no final de uma reunião com o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil, Ricardo Panorra – dirigente sindical que manifestou o seu total apoio à constituição de uma comissão de inquérito parlamentar sobre a transportadora aérea nacional na Assembleia da República.

“O primeiro apelo que fazemos é que o PS aprove a comissão de inquérito proposta pelo Bloco de Esquerda, porque é uma necessidade da democracia ter esclarecimentos”, defendeu Catarina Martins, fazendo, depois, uma alusão ao facto de a bancada socialista ter maioria absoluta no parlamento.

“Naturalmente, se o PS estiver contra, espero que seja possível que essa comissão de inquérito exista com base em todos os outros mecanismos que o parlamento tem ao seu dispor”, completou, numa referência indireta à possibilidade de o PSD aceitar que se avance para essa comissão de inquérito de forma potestativa.

Para a coordenadora do Bloco de Esquerda, depois das declarações de sexta-feira, no parlamento, do ministro das Finanças, Fernando Medina, aumentaram as dúvidas.

Fernando Medina “andou todo este tempo a dizer que não fazia a mínima ideia sobre o percurso da sua ex-secretária de Estado Alexandra Reis, mas agora reconheceu que, afinal, sabia que Alexandra Reis tinha saído a meio do mandato da administração da TAP, sabia que tinha saído num acordo que tinha a ver com um conflito dentro da própria administração, mas só não sabia que tinha recebido meio milhão de euros” de indemnização. Ora, toda esta história é muito estranha”, observou.

Na perspetiva da coordenadora do Bloco de Esquerda, “não se saber nada acaba por ser uma forma de degradação das próprias condições de governação. Portanto, para que existam essas condições, o PS deveria ser o primeiro interessado na comissão de inquérito”.

Perante os jornalistas, Catarina Martins defendeu que a proposta do Bloco de Esquerda para a constituição de uma comissão de inquérito “é sensata e tem um objetivo muito determinado para permitir conclusões”, ou seja, que “num prazo de tempo conciso se perceba o que se passa na TAP e se corrijam os erros” nessa empresa, apurando-se “as responsabilidades políticas da tutela política”.