Política

Jerónimo de Sousa sai da liderança do PCP, 18 anos depois. Paulo Raimundo é o sucessor

5 novembro 2022 21:27

tiago petinga/lusa

O Comité Central do PCP terá uma reunião no próximo sábado, 12 de novembro, em que será feita a proposta da eleição de Paulo Raimundo

5 novembro 2022 21:27

Jerónimo de Sousa vai abandonar o cargo de secretário-geral do PCP, depois de 18 anos na liderança do partido, e Paulo Raimundo será o sucessor proposto.

Em comunicado, o Partido Comunista Português refere que a substituição de Jerónimo de Sousa surge na sequência “de uma avaliação própria” do histórico dirigente, que tomou em consideração “a sua situação de saúde e as exigências correspondentes às responsabilidades que assume”.

Nesse sentido, Jerónimo de Sousa “colocou a questão da sua substituição nas funções que desempenha, mantendo-se como membro do Comité Central do PCP", informa o partido.

Jerónimo de Sousa foi o segundo secretário-geral mais duradouro no cargo – 18 anos, mais seis do que Carlos Carvalhas –, só superado por Álvaro Cunhal, que durante 31 anos comandou o partido.

O PCP destaca “a grande dedicação e empenho" com que Jerónimo “assumiu estas elevadas responsabilidades, por um longo período”, descrevendo o líder cessante, de 75 anos, como um ”exemplo de compromisso com o ideal e projeto" do partido.

O novo secretário-geral será Paulo Raimundo e a proposta de eleição do novo líder será feita numa reunião do Comité Central do PCP marcada para o próximo sábado, 12 de novembro, após o primeiro dia da Conferência Nacional.

O Partido Comunista realça que Paulo Raimundo “é de uma geração mais jovem, com um percurso de vida marcado por uma experiência diversificada, com capacidade, inserção no coletivo, preparado para uma responsabilidade que associa a dimensão pública à ligação, contacto e identificação com os trabalhadores e as massas populares e com o partido, as suas organizações e militantes”.

Paulo Raimundo tem 46 anos, aderiu à Juventude Comunista em 1991 e é funcionário do partido desde 2004. Foi membro da Direção Nacional e da Comissão Política. Em 1996, foi eleito membro do Comité Central.

O PCP realça que Paulo Raimundo tem “um percurso de vida dedicado à defesa dos interesses dos trabalhadores e do povo português”.