Opinião

O estranho mundo do fascismo ambiental

Michael Marder

Michael Marder

Filósofo e professor universitário

6 dezembro 2022 9:51

À primeira vista, o filme de animação da Disney Estranho Mundo, que acaba de se estrear em Portugal, revela-se politicamente correto. Desde o início, os espectadores conhecem e simpatizam com Ethan Clade (Jaboukie Young-White), o filho gay de um casal inter-racial, Searcher Clade (Jake Gyllenhaal) e Meridian Clade (Gabrielle Union). Além disso, a família feliz tem um cão de três patas, aparentemente desimpedido pela deficiência. Mas sob essa fachada de tolerância, encontramos nada menos que o fascismo ambiental

6 dezembro 2022 9:51

Fascismo é um termo notoriamente difícil de definir. No mínimo, refere-se à totalidade organísmica do estado ou da nação, onde os membros individuais assumem o papel de células ou órgãos completamente dependentes. O todo unificado subordina as suas partes. Esta totalidade assume como o seu protótipo um organismo animal, a esse respeito distinto das plantas que crescem de um modo aberto e em constante autoreorganização.

Poderíamos dizer, no que diz respeito aos modelos biológicos dos regimes políticos, que a animalidade tende à totalização fascista, enquanto a vegetalidade aponta na direção das multiplicidades anarquistas. E é aí que, graças a uma inversão espetacular de uma perspetiva centrada nas plantas, Estranho Mundo incita os espectadores a se identificarem com um organismo animal e sua estrutura totalitária.

Tudo começa com uma adotação incondicional de energia verde - os frutos abundantes de uma planta chamada Pando, descoberta por Searcher Clade durante uma das expedições que ele realizou com o pai, o lendário explorador Jaeger Clade. Mas acontece que, secretamente, a planta milagrosa está a destruir o mundo habitável como um todo. A ideologia declaradamente verde, com a qual a parte inicial de Estranho Mundo está inundada, azeda quando as plantas de Pando mostram sinais de uma doença que se espalha rapidamente. O que se apresenta como um problema de cultivo se revela, afinal, como uma crítica fascista do discurso e das práticas da salvação vegetal da humanidade e do planeta.

À medida que os heróis do filme se aprofundam no estranho mundo penetrado pelas raízes de Pando, eles percebem que é a porção subterrânea da planta que sufoca o coração do organismo que é o planeta vivo. A vida vegetal é vista como um parasita, eviscerando o todo que o alimenta.

Os heróis de Estranho Mundo estão fascinados pela interioridade e profundidade, o domínio da fisiologia e psicologia animal. Por baixo das montanhas, a nave deles sonda as vísceras de um organismo planetário, cujas partes vivem – numa alusão a Plotino, Leibniz e Spinoza – em serviço às necessidades do todo.

O estado de vitalidade também está exclusivamente associado à animalidade; a vida vegetal é, na melhor das hipóteses, uma perversa vitalidade que sufoca, em vez de sustentar, o animal. A obsessão do filme pela profundidade coincide com o foco no coração, um órgão (um líder político), sem o qual o organismo não pode funcionar. O mesmo não pode ser dito sobre a maioria das raízes que, em sua dispersão, ramificação e extensão, não podem ser destruídas de uma só vez.

O mundo em que vivemos é predominantemente vegetal; as plantas terrestres correspondem a 80% da biomassa total da Terra. Não é tanto contra as próprias plantas que Estranho Mundo reage, mas contra a vegetalização da nossa relação com o mundo: as nossas práticas de procurar energia, de imaginar modos de nos relacionamos entre nós e com seres não-humanos, de comunicar, de conceber alternativas à organização económica, social e política, sem a imponente figura animal do Leviatã ou do Behemoth; o estado como uma grande totalidade organísmica.

Searcher, a figura intermédia nas três gerações da família Clade, escolhe cultivar plantas (primeiro Pando, depois tomates), mas ele é um elo evanescente entre o seu pai e o seu filho, ambos ávidos exploradores, a vagar como animais dentro do inimaginavelmente grande representação animal do ambiente.

A projeção orientada para o futuro implícita nesta cadeia geracional é clara: olhar para as plantas em busca de orientação e práticas ecológicas ou modos de coexistência simbiótica é uma moda passageira, que logo será substituída novamente por protótipos animais. A esperança é que a proliferação incontrolável, exuberante e anárquica de plantas independentes da totalidade também não sirva mais como uma base dos nossos projetos sociais e políticos.

A estreia de Estranho Mundo coincidiu com o centenário da marcha fascista dos Camisas Negras pelas ruas de Roma em Outubro de 1922, logo após a ascensão ao poder de Benito Mussolini. À luz dos novos fascismos de hoje, o que o filme reivindica é a lógica totalitária do fascismo que se estende até a biologia – especificamente, ao reino animal como o fulcro de vida genuína, do poder, da interioridade e organização total, em oposição ao parasitismo, à debilidade, à exterioridade e à dispersão predominantes no reino vegetal. Reciclando uma antiga mitologia, a cena final do filme revela que o mundo é uma tartaruga, cercada por um oceano sem limites. É uma radiografia cinematográfica de uma perniciosa fantasia política.

*filósofo, professor na Universidade
do País Basco, em Vitoria-Gasteiz