Isabel II

O indisfarçável incómodo dos súbditos caribenhos em relação ao chefe de Estado sentado em Londres

19 setembro 2022 18:38

Margarida Mota

Jornalista

O desfile de William e Kate, num jipe de caixa aberta, durante a visita à Jamaica, caiu mal por fazer lembrar os tempos coloniais

karwai tang / getty images

Carlos III terá um grande desafio a milhares de quilómetros de distância do Palácio de Buckingham. Na região das Caraíbas, vários países que o reconhecem como chefe de Estado contestam, cada vez mais, esse vínculo e defendem a opção pela república. Nos últimos anos, casos como o assassínio de George Floyd, nos Estados Unidos, ou visitas reais desastradas aos territórios contribuíram para esse sentimento. Ao Expresso, um professor jamaicano diz que no país se olha para a monarquia britânica como “um fardo insultuoso explicitamente racista", que não trouxe "nada de bom”

19 setembro 2022 18:38

Margarida Mota

Jornalista

Ao longo da História, a primazia de alguns poderes políticos sobre grandes extensões geográficas cunhou, na terminologia das relações internacionais, a expressão “império onde o sol nunca se põe”. O rótulo chegou a aplicar-se ao império britânico, com domínios, colónias, protetorados, mandatos e territórios governados ou administrados por Londres desde o Canadá até à Nova Zelândia.