Isabel II

Isabel II: Presidente da República prestou homenagem no velório em Londres

18 setembro 2022 17:28

wpa pool

Marcelo Rebelo de Sousa prestou homenagem a Isabel II no Palácio de Westminster, onde o corpo se encontra em câmara-ardente. O PR é um dos chefes de Estado convidados para a receção deste domingo no Palácio de Buckingham, oferecida pelo Rei Carlos III aos líderes internacionais presentes nas cerimónias fúnebres

18 setembro 2022 17:28

O Presidente da República prestou homenagem à monarca Isabel II no velório no Palácio de Westminster, em Londres, onde o corpo se encontra há quatro dias em câmara-ardente. Ao chegar ao balcão onde os representantes oficiais dos países são encaminhados pelos assistentes parlamentares, o Presidente português desceu ao nível do chão para se aproximar mais e benzeu-se ao passar junto ao caixão, perto do público e dos guardas.

O Chefe de Estado foi acompanhado pelo embaixador de Portugal em Londres, Nuno Brito, e pela chefe do Protocolo de Estado, embaixadora Clara Nunes dos Santos. Na tarde deste domingo, Marcelo Rebelo de Sousa vai assinar o Livro de Condolências oficial em Lancaster House antes de participar numa receção no Palácio de Buckingham oferecida pelo Rei Carlos III aos líderes internacionais que viajaram para presenciar as cerimónias fúnebres com honras de Estado na segunda-feira.

O caixão da rainha está desde quarta-feira no Palácio de Westminster, o edifício do parlamento britânico, sobre uma plataforma designada por catafalco, coberto pelo estandarte real e com a coroa imperial, orbe e cetro reais em cima, as joias da coroa que recebeu aquando da coroação em 1953.

Milhares de pessoas esperaram até 24 horas nos últimos dias para entrar no local e prestar uma última homenagem durante a câmara-ardente, formando uma fila que chegou aos oito quilómetros. Atualmente o tempo de espera é de 13 horas e as autoridades estão a considerar encerrar a entrada de mais pessoas porque o acesso ao velório fecha às 6h30 de segunda-feira.

A polícia de Londres comunicou, entretanto, ter acusado um homem de 28 anos, que avançou na direção do caixão, de “causar alarme, assédio ou angústia”. Vai comparecer no Tribunal de Westminster esta segunda-feira.

Hoje às 20h, o Reino Unido cumpre um minuto de silêncio como “momento de reflexão” em memória da monarca, que morreu a 8 de setembro, após 70 de reinado. Esta segunda-feira terá lugar uma missa na Abadia de Westminster para cerca de 2.200 convidados e um cortejo militar do caixão pelas ruas de Londres acompanhado pelo Rei e membros da família real.

Cerca de um milhão de pessoas deverá afluir à cidade para assistir às cerimónias nas ruas, adiantou o presidente-executivo da entidade responsável pelos transportes de Londres TfL, Andy Byford. A rede ferroviária programou cerca de 250 comboios adicionais, enquanto no aeroporto de Heathrow, o maior da capital, mais de 100 voos serão cancelados para evitar que o ruído dos aviões perturbe os serviços fúnebres na abadia de Westminster de manhã e no castelo de Windsor à tarde.

Segundo as autoridades, foram erguidas barreiras ao longo de 36 quilómetros no centro de Londres para controlar multidões e manter seguras algumas áreas importantes em torno do parlamento, da Abadia de Westminster e do Palácio de Buckingham. A polícia de Londres considera esta a maior operação e mais complexa de segurança na capital, com mais de 10.000 agentes nas ruas por dia, o que levou à mobilização de polícias do resto do país.

As forças armadas também estão envolvidas, não só na segurança, mas também nos cortejos, tendo sido destacados 5.949 soldados desde a morte da monarca, além de 175 efetivos de forças de nações da Commonwealth. Destes, pelo menos 1.650 vão participar no cortejo do caixão da rainha desde a abadia de Westminster até ao Arco de Wellington, após o funeral, 1.000 vão estar ao longo das ruas, e outros 1.170 vão acompanhar o cortejo e cerimónias no Castelo de Windsor, onde o corpo será sepultado.