Guerra na Ucrânia

Reforma da ONU: o veto não é democrático, mas sem ele os cinco grandes sairiam da organização

23 abril 2023 20:47

Margarida Mota

Jornalista

Durante o mês de abril, a presidência do Conselho de Segurança das Nações Unidas é assegurada pela Federação Russa

michael m. santiago/getty images

A guerra na Ucrânia tornou a reforma do Conselho de Segurança praticamente impossível

23 abril 2023 20:47

Margarida Mota

Jornalista

Há 20 anos, o mundo estava tomado por uma guerra. Com o argumento de que havia que neutralizar as armas de destruição maciça do ditador Saddam Hussein, os Estados Unidos invadiram o Iraque, à frente de uma coligação de países, mas sem o respaldo de uma resolução da Organização das Nações Unidas (ONU). A maioria dos 15 membros do Conselho de Segurança (CS) — o órgão de decisão, por excelência, da organização — pedia tempo para que os inspetores encontrassem as armas. Mas o interesse dos Estados Unidos foi noutro sentido.

Na atualidade, o mundo contorce-se com outro conflito com impacto global — a invasão russa da Ucrânia, desencadeada com base numa narrativa propagandeada pelo Kremlin, segundo a qual russos e ucranianos são “uma nação”. Também aqui o agressor é um membro permanente do CS.