Guerra na Ucrânia

Comissão Europeia responde a Lula: “Não é verdade que EUA e UE estejam a prolongar o conflito, a Ucrânia é vítima de uma agressão ilegal”

Comissão Europeia responde a Lula: “Não é verdade que EUA e UE estejam a prolongar o conflito, a Ucrânia é vítima de uma agressão ilegal”
FRANCOIS WALSCHAERTS

Porta-voz da Comissão para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança afirmou, em Bruxelas, que “a UE, os EUA e outros parceiros estão a ajudar a Ucrânia na sua legítima defesa”

A Comissão Europeia rejeitou hoje as acusações feitas pelo Presidente do Brasil, Lula da Silva, de que a União Europeia (UE) e os Estados Unidos da América (EUA) estejam a ajudar a prolongar o conflito na Ucrânia.

"Não é verdade que os EUA e a UE estejam a ajudar a prolongar o conflito. A verdade é que a Ucrânia é a vítima de uma agressão ilegal, uma violação da Carta das Nações Unidas", sustentou o porta-voz do executivo comunitário para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança, Peter Stano, em conferência de imprensa, em Bruxelas.

Peter Stano acrescentou que "é verdade que a UE, os EUA e outros parceiros estão a ajudar a Ucrânia na sua legítima defesa".

A outra opção, segundo prosseguiu o porta-voz, era "a destruição da Ucrânia".

Luiz Inácio Lula da Silva defendeu no sábado, no final de uma visita à República Popular da China, que os Estados Unidos devem parar de "encorajar a guerra" na Ucrânia e a União Europeia deve "começar a falar de paz".

"No que diz respeito a iniciativas de paz, a UE apoiou-as muito antes de [Presidente russo, Vladimir] Putin decidir lançar esta carnificina contra a população ucraniana (...), a resposta foi a agressão infortuna de fevereiro do ano passado", frisou o porta-voz da Comissão Europeia.

Peter Stano reconheceu que desde o início da invasão vários países apresentaram propostas para a paz e houve convites para Moscovo voltar à mesa das negociações, mas, afirmou o representante, "todas as ofertas foram recebidas com uma escalada da guerra" pelo Presidente da Federação Russa.

Os 27 Estados-membros da UE apoiam "a paz o mais depressa possível", afirmou Stano, destacando, porém, é necessário lembrar que "é a Rússia e só a Rússia a responsável pela agressão ilegítima e sem provocações contra a Ucrânia".

"Não há dúvidas sobre quem é o agressor e quem é a vítima", reforçou.

Por isso, a Ucrânia "é que tem de definir sob que condições quer a paz", disse o porta-voz.

"A Rússia está a infringir a Carta das Nações Unidas, isto também é reconhecido pelo Brasil. O Brasil votou com mais de 140 países na ONU para condenar a agressão russa, pedir que pare e que a Rússia retire os seus soldados de todo o território da Ucrânia internacionalmente reconhecido", reforçou Stano.

Os militares russos, sob ordens do Kremlin, é que estão a "matar civis ucranianos, a destruir infraestruturas civis ucranianas, está a raptar crianças ucranianas" e a "roubar territórios e propriedades ucranianas", prosseguiu.

Kiev, afirmou ainda o porta-voz, só está a "exercer o seu legítimo direito a defender-se".

Já em declarações conhecidas no domingo, o Presidente brasileiro propôs uma mediação conjunta com China e Emirados Árabes Unidos (EAU) na guerra entre a Rússia e a Ucrânia, uma questão que disse ter discutido em Pequim e em Abu Dhabi.

Lula da Silva falava na conclusão de uma visita aos EAU depois de ter estado na China.

Na mesma ocasião, o chefe de Estado brasileiro disse esperar que China, EAU e outros países se juntem num "G20 político" para tentar pôr fim à guerra desencadeada pela invasão russa da Ucrânia.

A ofensiva militar russa no território ucraniano, lançada a 24 de fevereiro do ano passado, mergulhou a Europa naquela que é considerada a crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Tem dúvidas, sugestões ou críticas? Envie-me um e-mail: clubeexpresso@expresso.impresa.pt

Comentários

Assine e junte-se ao novo fórum de comentários

Conheça a opinião de outros assinantes do Expresso e as respostas dos nossos jornalistas. Exclusivo para assinantes

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para se juntar ao debate
+ Vistas