EUA

Atiradora que matou seis pessoas em escola de Nashville terá premeditado atentado e planeou outros alvos

Atiradora que matou seis pessoas em escola de Nashville terá premeditado atentado e planeou outros alvos
METRO NASHVILLE POLICE DEPARTMENT / HANDOUT

A mulher de 28 anos era uma antiga aluna da escola e planeou o ataque. A polícia encontrou um manifesto na sua casa que indica que outros locais seriam possíveis alvos. Este é já o 128.º tiroteio em massa nos Estados Unidos desde início do ano

A atiradora que matou nesta segunda-feira três crianças e três adultos numa escola em Nashville, no estado norte-americano do Tennessee, era uma antiga aluna daquela escola e planeou o ataque, anunciaram as autoridades policiais. Um manifesto encontrado na sua casa indica que outros locais seriam possíveis alvos, disse ainda a polícia.

A mulher, natural de Nashville, morreu na segunda-feira em confronto com os agentes da polícia dentro da The Covenant School, uma escola cristã particular fundada em 2001 e que acolhe cerca de 200 alunos, desde a pré-escola até ao sexto ano.

Em conferência de imprensa, o Chefe da Polícia de Nashville, John Drake, revelou que Audrey Hale, 28 anos, terá premeditado o tiroteio, na sequência das autoridades terem encontrado na casa onde residia com os seus pais, planos da escola onde estavam detalhadas as entradas do edifício e a localização das câmaras de segurança foram marcados.

As autoridades encontraram também um “manifesto”. O documento “mostra que ia haver um tiroteio em massa em vários locais, e a escola era um deles”, afirmou John Drake à televisão norte-americana.

A mulher, que foi descrita pelas autoridades como transexual, não tinha registo criminal e conseguiu entrar na escola por uma das portas laterais, carregando duas armas semiautomáticas e pelo menos uma pistola.

O porta-voz da polícia de Nashville, Don Aaron, disse numa conferência de imprensa anterior que a resposta da polícia foi “rápida” e que, depois de terem tido acesso ao primeiro andar da escola, os agentes ouviram tiros vindos do segundo andar e decidiram subir as escadas.

Já no segundo andar encontraram uma jovem que estava a disparar e dois polícias acabaram por abrir fogo contra ela.

Vários alunos foram vistos a deixar a escola – cercada por carros da polícia – para uma igreja próxima ao local, para se reunirem com seus pais.

Don Aaron explicou que num dia normal há cerca de 209 estudantes na escola, que emprega mais de 40 funcionários.

É o 128.º tiroteio em massa nos EUA desde início do ano

O tiroteio mortal ocorre num momento em que as comunidades em todo o país recuperam de uma onda de violência escolar, incluindo o massacre numa escola primária em Uvalde, no Texas, no ano passado; ou um tiroteio na semana passada em Denver, que feriu dois administradores.

Este é já o 128.º tiroteio em massa nos Estados Unidos desde o início do ano, de acordo com dados do Gun Violence Archive, que define um tiroteio em massa quando pelo menos quatro pessoas são baleadas, excluindo o atirador.

Os Estados Unidos, onde circulam aproximadamente 400 milhões de armas de fogo, são frequentemente afetados por tiroteios mortais, inclusive em escolas.

Desde o início de 2023, foram registados pelo menos 30 incidentes envolvendo armas de fogo em escolas nos Estados Unidos, que deixaram oito mortos e 23 feridos, segundo dados da organização Everytown for Gun Safety.

Tem dúvidas, sugestões ou críticas? Envie-me um e-mail: clubeexpresso@expresso.impresa.pt

Comentários

Assine e junte-se ao novo fórum de comentários

Conheça a opinião de outros assinantes do Expresso e as respostas dos nossos jornalistas. Exclusivo para assinantes

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para se juntar ao debate
+ Vistas