Internacional

Derrocada de glaciar mata pelo menos seis pessoas em Itália. Vítimas faziam trilho nos Alpes

3 julho 2022 18:09

alpine rescue services

Há seis mortos e oito feridos confirmados no acidente deste domingo na Marmolada, na cordilheira das Dolomitas, nos Alpes italianos. As autoridades fazem agora buscas no local. Está em aberto a possibilidade de existirem outras vítimas além das que pertenciam ao grupo já identificado. O calor terá estado na origem da derrocada

3 julho 2022 18:09

Um grande pedaço de glaciar alpino soltou-se este domingo e deslizou por uma montanha, embatendo contra mais de uma dezena de caminhantes num trilho e matando pelo menos seis pessoas, avança a televisão estatal RAI. A estação italiana adianta, através do seu site, que haverá oito feridos. O grupo em causa seria composto por 15 pessoas, uma delas terá escapado sem ferimentos.

Segundo a Associated Press (AP), o Corpo Nacional de Resgate Alpino e Cavernas conta com pelo menos cinco helicópteros e cães de busca e salvamento na área do pico de Marmolada em que o desprendimento aconteceu. Em causa estará a possibilidade de existirem outras vítimas, que seguissem noutro grupo.

1 / 5
1 / 5

alpine rescue services

2 / 5
2 / 5

alpine rescue services

3 / 5
3 / 5

alpine rescue services

4 / 5
4 / 5

alpine rescue services

5 / 5
5 / 5

alpine rescue services

Os feridos, um dos quais em estado crítico, foram transportados para hospitais nas regiões de Trentino-Alto Ádige e Véneto, segundo os serviços de resgate.

O pedaço que se soltou é o cume do glaciar. Marmolada tem uma altitude de 3.300 metros e é o cume mais alto da cordilheira das Dolomitas, nos Alpes italianos. Os serviços de resgate alpinos escreveram no Twitter que o pedaço de glaciar soltou-se perto de Punta Rocca, “no caminho normalmente usado para chegar ao pico”.

Não é claro o que causou a derrocada, mas a intensa onda de calor que atinge a Itália desde o final de junho pode ser um fator de explicação, disse à RAI Walter Milan, porta-voz dos serviços de resgate alpinos.

“O calor é fora do comum”, disse Milan, notando que as temperaturas nos últimos dias no pico da montanha chegaram aos 10º C. “É um calor extremo” para o pico, disse, acrescentando ser “claramente, algo anormal”.