Internacional

Dezenas de feridos em protestos contra o primeiro-ministro arménio em Erevan

3 junho 2022 23:37

Nikol Pashinyan

alexander nemenov/getty images

O protesto começou em frente ao edifício do parlamento, mas acabou na residência do primeiro-ministro, onde os opositores queriam entregar pessoalmente as suas reivindicações a Nikol Pashinyan

3 junho 2022 23:37

Pelo menos 42 pessoas, incluindo manifestantes e polícia, ficaram esta sexta-feira feridas devido a violentos confrontos na capital da Arménia, Erevan, durante o protesto convocado pela oposição em frente à residência do primeiro-ministro arménio, Nikol Pashinyan. De acordo com o Ministério da Saúde, 22 dois feridos são membros das forças de segurança, que usaram gás lacrimogéneo contra os manifestantes.

As autoridades afirmam que decidiriam dispersar as pessoas após estas terem começado a atirar pedras contra a polícia de choque. O protesto começou em frente ao edifício do parlamento, mas acabou na residência do primeiro-ministro, onde os opositores queriam entregar pessoalmente as suas reivindicações a Nikol Pashinyan.

A oposição arménia mais radical opõe-se à normalização das relações com o vizinho Azerbaijão e o seu principal aliado, a Turquia.

Apesar de o conflito entre a Arménia e o Azerbaijão pelo enclave separatista de Nagorno-Karabakh ter terminado no outono de 2020 com cerca de 10.000 mortes e a vitória deste último ano, que recuperou grande parte dos territórios controlados por Erevan desde a guerra de 1992-1994. No entanto, as escaramuças continuam entre os dois lados.

Nikol Pashinyan propôs recentemente no parlamento “baixar a fasquia” sobre o estatuto do território separatista, povoado por arménios étnicos, e assinar um acordo de paz com Baku.

Estas declarações geraram grande descontentamento entre a oposição, enquanto o primeiro-ministro do país esclareceu que questão de Nagorno-Karabakh não é “uma questão territorial, mas sim uma questão de direitos” das pessoas que habitam. Desde 17 de abril de 2022, a oposição tem convocado atos e manifestações diárias de protesto nas quais centenas de pessoas foram presas.