Exclusivo

Indústria

Sines: a porta de entrada dos combustíveis fósseis procura a sua saída limpa

Sines: a porta de entrada dos combustíveis fósseis procura a sua saída limpa
NUNO FOX

O concelho do litoral alentejano deverá atrair até 2030 mais de €20 mil milhões de investimento, do hidrogénio à tecnologia, das baterias à aquacultura. É uma agenda verde em marcha

Por estes dias Sines tem vivido um corrupio de visitas institucionais, entre diplomatas e delegações vindas do estrangeiro, que querem perceber o que tem para oferecer, afinal, o concelho do litoral alentejano. “Sines está com overbooking”, aponta o presidente da Câmara Municipal, Nuno Mascarenhas. O hidrogénio verde concentra boa parte da curiosidade, mas há outros projetos que estão em desenvolvimento para transformar o antigo polo de combustíveis fósseis numa plataforma global alinhada com a nova agenda verde.

Entre investimentos em centros de dados, amarração de cabos, baterias elétricas, aquacultura, hidrogénio, amoníaco e a expansão do terminal do porto (ver infografia), estão projetados investimentos que ultrapassam os €20 mil milhões até 2030, contabiliza Filipe Costa, presidente executivo da Aicep Global Parques. A cifra, que é quase 10% do Produto Interno Bruto português, corresponde ao quíntuplo de todo o investimento que a Galp fez em mais de quatro décadas na Refinaria de Sines. E equivale a 10 vezes o investimento que na década de 90 lançou, em Palmela, a Autoeuropa, a maior fábrica de automóveis em Portugal.

A concretizarem-se, os novos projetos em Sines criarão entre sete mil e nove mil postos de trabalho e ditarão uma reconfiguração económica, social e até paisagística do concelho do litoral alentejano.

Artigo Exclusivo para assinantes

Assine já por apenas 1,63€ por semana.

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para continuar a ler

Tem dúvidas, sugestões ou críticas? Envie-me um e-mail: emiranda@expresso.impresa.pt

Comentários

Assine e junte-se ao novo fórum de comentários

Conheça a opinião de outros assinantes do Expresso e as respostas dos nossos jornalistas. Exclusivo para assinantes

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para se juntar ao debate
+ Vistas