Imobiliário

Operação Babel: Elad Dror deixa o cargo de CEO no Grupo Fortera, novo diretor-executivo anunciado na próxima semana

Operação Babel: Elad Dror deixa o cargo de CEO no Grupo Fortera, novo diretor-executivo anunciado na próxima semana
DR

Grupo Fortera alega que o projeto Skyline foi “iniciado” pela Câmara de Gaia e que o envolvimento da empresa “deriva de um convite” da autarquia

Elad Dror irá resignar “com efeitos imediatos de forma voluntária” ao cargo de CEO do Grupo Fortera. O novo diretor-executivo será anunciado na próxima semana, informa a empresa.

Em comunicado, a administração refere que “as alegações e acusações que surgiram tomaram de surpresa” o Grupo Fortera, numa alusão às suspeitas de que Elad Dror estará alegadamente ligado a um “esquema de corrupção e favorecimento” em licenciamentos urbanísticos.

A empresa acredita “firmemente” que as alegações se “revelarão infundadas” e garante que “nunca houve qualquer envolvimento do Grupo Fortera em quaisquer ações que pusessem em causa os seus investimentos no país”.

Ainda assim, Elad Dror “irá resignar ao cargo com efeitos imediatos de forma voluntária”, “permitindo assim que a empresa possa continuar a sua atividade sem quaisquer interferências” provocadas pelo processo em curso. “O novo CEO do Grupo Fortera será anunciado na próxima semana”, esclarece a administração da empresa.

Projeto Skyline foi iniciativa da Câmara de Gaia

De acordo com o Grupo Fortera, “o projeto Skyline e o Centro de Congressos em Vila Nova de Gaia foram iniciados e apoiados pela Câmara Municipal de Gaia, tendo-o declarado como um empreendimento emblemático para a cidade, demonstrando assim o empenho em prestar assistência proporcional ao elevado investimento exigível para a sua execução”.

E mais acrescenta o comunicado: “o envolvimento do Grupo Fortera no projeto Skyline deriva de um convite a si endereçado para construir um Centro de Congressos com capacidade para 2500 pessoas”.

Em troca, “foi concedida à empresa a capacidade de construção e respetivas isenções fiscais, sujeitas à aprovação pela Assembleia Municipal e sujeitas à discussão pública, tal como previsto na lei”, sustenta o Grupo Fortera.

“A empresa sempre pautou a sua atividade sustentada em valores como a transparência e a integridade, servindo até como modelo para outros seguirem”, lê-se no comunicado.

O Grupo Fortera salienta que, durante os últimos oito anos, se dedicou “incansavelmente a criar um impacto positivo em Portugal, particularmente na região Norte e em Vila Nova de Gaia”, para onde diz ter captado “investimento significativo”, “beneficiando a economia local e criando centenas de postos de trabalho”.

Tem dúvidas, sugestões ou críticas? Envie-me um e-mail: amcorreia@expresso.impresa.pt

Comentários

Assine e junte-se ao novo fórum de comentários

Conheça a opinião de outros assinantes do Expresso e as respostas dos nossos jornalistas. Exclusivo para assinantes

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para se juntar ao debate
+ Vistas