Energia

Portugal alcançou novo recorde de produção eólica

24 janeiro 2023 10:34

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

yuhan liao/getty images

A 16 de janeiro o sistema elétrico nacional registou o mais alto registo de sempre de produção eólica num só dia. Dias antes Portugal também já tinha tido um pico histórico na produção hídrica

24 janeiro 2023 10:34

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

O sistema elétrico nacional registou a 16 de janeiro um novo recorde de produção eólica, com 106,7 gigawatt hora (GWh) gerados num só dia, batendo o anterior máximo, de 11 de novembro de 2022, com 104,2 GWh, informou esta terça-feira a REN - Redes Energéticas Nacionais, em comunicado.

Segundo a gestora da rede elétrica, a 16 de janeiro a produção renovável abasteceu 97% do consumo de eletricidade, com a eólica a ter um contributo de 56%.

Em termos acumulados, de 1 a 22 de janeiro as renováveis cobriram 89% do consumo elétrico nacional, depois de 2022 ter fechado com um contributo das renováveis de 49% (a seca no verão impulsionou a produção das centrais a gás e as importações de Espanha).

O recorde de produção diária de energia eólica aconteceu poucos dias depois de o sistema elétrico ter registado um outro recorde, de pico de produção hídrica.

A 4 de janeiro chegaram a estar em operação, às 17h30, centrais hidroelétricas com uma capacidade de 6531 megawatts (MW), batendo o anterior máximo, que datava de 2018.

O elevado volume de produção renovável do corrente mês de janeiro tem puxado para baixo o preço grossista da eletricidade na Península Ibérica.

Os dados publicados pela REN, a partir da plataforma OMIE (o mercado diário de Portugal e Espanha), indicam que em janeiro o preço médio está nos 66 euros por MWh, muito longe dos 202 euros por MWh de janeiro do ano passado.

O preço médio de janeiro está também abaixo do preço médio de dezembro de 2022 do mercado ibérico (outro mês com uma forte geração renovável), que foi de 96 euros por MWh.

Vale a pena recordar que 2022 registou o mais alto preço médio anual de sempre do Mibel (mercado ibérico de eletricidade), com 167 euros por MWh (acima dos 112 euros por MWh de 2021), impulsionado pelo disparo das cotações do gás natural (que pressionaram os custos das centrais de ciclo combinado) e pela seca (que reduziu e encareceu a produção hidroelétrica).