Criptomoedas

Sam Bankman-Fried acusado de subornar funcionários chineses

Sam Bankman-Fried acusado de subornar funcionários chineses
Alex Wong

As autoridades chinesas revelaram que Sam Bankman-Fried, o fundador da corretora de criptoativos FTX, subornou funcionários chineses com 40 milhões de dólares para recuperar o acesso a ativos congelados por Pequim

O fundador da plataforma de criptomoedas FTX, Sam Bankman-Fried, pagou 40 milhões de dólares (37 milhões de euros) a funcionários chineses para recuperar o acesso a ativos congelados por Pequim, afirmam as autoridades chinesas num documento divulgado esta terça-feira, 28 de março.

Com base nestas informações, os serviços do procurador federal de Manhattan, Damian Williams, acrescentaram a acusação de corrupção às outras que visam o antigo líder da plataforma FTX. O julgamento de Sam Bankman-Fried deverá começar no outono.

Segundo o documento, Bankman-Fried transferiu os fundos em 2021 para obter das autoridades chinesas o acesso a mil milhões de dólares de criptomoedas que estavam em contas da Alameda, a empresa de investimentos que dirigia.

As autoridades norte-americanas não referem se a iniciativa foi bem-sucedida.

A FTX, a segunda mais importante plataforma de criptomoedas, colapsou em novembro, após uma crise de confiança e levantamentos em massa feitos pelos clientes.

Bankman-Fried e outros dirigentes são acusados de ter utilizado as contas dos clientes, sem o conhecimento destes, para alimentar operações especulativas da Alameda.

Extraditado das Baamas para os Estados Unidos em dezembro, Bankman-Fried corre o risco de ser condenado a anos de prisão. O julgamento deve começar em outubro em Nova Iorque.

As acusações envolvem também dois outros antigos dirigentes da FTX e Alameda, Gary Wang e Caroline Ellison, que se deram como culpados de algumas e aceitaram colaborar com as autoridades norte-americanas, ao contrário de Bankman-Fried, que contesta as que o visam.

Sam Bankman-Fried também é acusado de ter investido, sem autorização, fundos de clientes da FTX em bens imobiliários nas Baamas.

O procurador federal de Manhattan acusa-o igualmente de ter efetuado donativos a figuras políticas democratas, incluindo Joe Biden, durante a campanha presidencial.

Tem dúvidas, sugestões ou críticas? Envie-me um e-mail: clubeexpresso@expresso.impresa.pt

Comentários

Assine e junte-se ao novo fórum de comentários

Conheça a opinião de outros assinantes do Expresso e as respostas dos nossos jornalistas. Exclusivo para assinantes

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para se juntar ao debate
+ Vistas