Economia

Edward Palmer, economista sueco: “Nas pensões, os riscos têm de ser partilhados”

27 novembro 2022 22:27

Sistema de pensões sueco, um dos mais elogiados na Europa, tem de ser, em cada momento, financeiramente equilibrado

getty images

Um dos pais da reforma do sistema de pensões da Suécia nos anos 90 vai estar em Portugal na próxima semana para uma conferência. Falou com o Expresso sobre a experiência sueca e sobre um sistema que, garante, é seguro para todos: pensionistas, trabalhadores e contas públicas

27 novembro 2022 22:27

Há duas décadas, a Suécia fez uma reforma do sistema de pensões que, ao longo dos anos, tem sido apresentada como um modelo exemplar. As regras combinam um sistema de repartição (como o português) com um sistema de capitalização, indexam o valor das pensões à evolução dos salários médios em cada momento e têm estabilizadores que garantem que, tudo combinado, o modelo é autossustentável e não entra em défice — mesmo que seja à custa dos pensionistas. Edward Palmer, o economista que na década de 90 integrou o grupo de trabalho que desenhou a reforma, demarca-se de versões como a anglo-saxónica, onde os descontos para a Segurança Social são facultativos, defende que as regras devem estar vertidas em lei da forma mais clara e blindada possível, para evitar que sejam politicamente manipuladas em períodos eleitorais, e lembra que “nas pensões os riscos têm de ser partilhados”.

Em conversa com o Expresso, dias antes da sua passagem por Lisboa para participar numa conferência organizada pela APFIPP (Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimó­nios), o professor universitário recusa a conclusão de que o sistema que há mais de 20 anos ajudou a desenhar seja seguro para as contas públicas mas arriscado para os pensionistas. “Diria que é seguro para todos”, argumenta.

Este é um artigo do semanário Expresso. Clique AQUI para continuar a ler.