Economia

​​​​​Governo lança nova linha de alta velocidade Porto-Lisboa esta quarta-feira

Nova linha pretende encurtar o tempo de viagem de comboio entre as duas principais cidades portuguesas para 1h15 a partir de 2030. Travessia do Douro deverá ser feita por uma nova ponte que também servirá a rodovia

27 setembro 2022 18:01

Pedro Lima

Pedro Lima

Editor-adjunto de Economia

O Governo vai lançar esta quarta-feira de manhã o projeto da nova linha de alta velocidade Porto-Lisboa no Porto, na estação de Campanhã. O evento contará com a presença do ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, e também do primeiro-ministro António Costa e vai marcar o arranque deste projeto que pretende ligar as duas principais cidades do país em apenas 1h15 no serviço direto, sem paragens. Se o calendário já divulgado se mantiver, no final de 2030 a viagem demorará 1h17 e após esse ano atingir-se-á então a duração de 1h15. Atualmente o comboio mais rápido entre as duas cidades demora 2h48.

A construção da nova linha far-se-á a partir do Porto pelo que uma das primeiras decisões a tomar é a forma de atravessar o rio Douro, que o governo deverá anunciar esta quarta-feira. O presidente da câmara municipal do Porto, Rui Moreira, admitiu ontem a hipótese de se substituírem as duas pontes previstas para a cidade, uma para a rodovia e outra para a ferrovia, por uma única ponte com as duas valências. “Uma ponte de dupla utilização faz mais sentido, em termos de interesse público. A população não compreenderia que fossem feitas duas estruturas autónomas”, disse o autarca. Algo que o vereador com o pelouro do urbanismo e do espaço público, Pedro Baganha, contextualizou ao explicar que a ideia de criar uma ponte ‘gémea’ à ponte de São João, por onde os comboios entram atualmente na cidade, foi abandonada por questões técnicas. “A Infraestruturas de Portugal está a trabalhar numa alternativa de uma ponte nova a montante da ponte de São João, mas mais afastada e não paralela a essa mesma ponte”, disse Pedro Baganha. O vereador explicou que “uma das hipóteses em cima da mesa é substituir duas pontes, uma rodoviária à cota baixa e uma ferroviária à cota alta, por uma só ponte com dois tabuleiros, sendo que o tabuleiro superior será dedicado à alta velocidade e o inferior faria o serviço rodoviário de proximidade proposto na ponte promovida pelas câmaras municipais [do Porto e de Gaia]".

Alternativa à congestionada Linha do Norte

Atualmente a ligação mais rápida entre as duas cidades é feita na Linha do Norte através dos comboios Alfa Pendular, da CP, em 2h48, com três paragens. Na primeira fase da nova linha, com o troço Porto-Soure concluído, essa ligação, sem paragens, reduz-se para 1h57 e será conseguida entre 2026 e 2028. Depois, com a segunda fase concluída até 2030 e os comboios a seguirem na nova linha até ao Carregado, vai ser possível fazer o percurso em 1h17 sem paragens. E com toda a linha concluída, já até Lisboa, o tempo final sem paragens ficará então nos 1h15. A linha de alta velocidade Porto-Lisboa vai ser uma alternativa à muito congestionada Linha do Norte e que tem alguns troços no limite da capacidade, em especial os mais próximos precisamente de Lisboa e do Porto. A Linha do Norte é usada por 44% de todos os comboios e por 92% dos comboios de mercadorias que circulam na rede ferroviária nacional, apesar de ser apenas 13% desta, numa extensão de apenas 336 km. A nova linha tem um custo previsto de 4500 milhões de euros, a que se juntarão também os 900 milhões de euros da primeira fase da nova linha Porto-Valença-Vigo. Esta obra, que é das principais contidas no Programa Nacional de Investimentos 2030 (PNI2030), tem como objetivo não só reduzir o tempo de trajeto entre o Porto e Lisboa mas também aumentar a qualidade dos serviços de longo curso e libertar capacidade na linha do Norte para o tráfego suburbano e de mercadorias. Terá uma velocidade máxima de 300 km por hora e mínima de 160 km por hora e além das estações de Lisboa e Porto terá estações também em Leiria, Coimbra, Aveiro e Gaia.

O grupo Barraqueiro já fez saber que pretende oferecer serviços de transporte de passageiros nesta linha, em concorrência com a CP.