Economia

Inflação alemã acelera em agosto para 7,9%, um máximo de quase 50 anos

30 agosto 2022 16:02

fhm

A taxa de inflação da Alemanha de agosto deverá ter alcançado os 7,9%, segundo o Destatis, o gabinete federal de estatística germânico, com a energia e a alimentação com preços em alta

30 agosto 2022 16:02

Depois de um abrandamento em julho, a taxa de inflação na Alemanha voltou a acelerar em agosto para 7,9%, influenciada pelo encarecimento da energia e dos bens alimentares, de acordo com a estimativa do Destatis, o gabinete de estatísticas federal alemão, em nota divulgada esta terça-feira, 30 de agosto.

Segundo a Reuters, a taxa de agosto está em máximos do inverno de 1973/1974, época em que se iniciou o choque petrolífero que levou a um encarecimento da energia e ao disparo dos preços.

Em julho, a taxa de inflação alemã foi de 7,5%, abrandando ligeiramente face aos 7,6% registados em junho.

A taxa de inflação da energia foi estimada nos 35,6% em agosto, abrandando face à variação homóloga de 35,7% do mês anterior. A taxa de inflação dos bens alimentares, porém, acelerou em agosto face ao mês anterior, de 14,8% para os 16,6%.

A Alemanha é um dos países mais afetados pelo corte abrupto das importações de gás russo depois da invasão da Ucrânia a 24 de fevereiro.

A Alemanha beneficiava deste hidrocarboneto de forma abundante e barata e está agora a fazer um doloroso ajuste com impacto nos preços. A autoridade estatística alemã assinala que as perturbações nas cadeias de abastecimentos estão, também, a contribuir para esta alta de preços.

Medidas de mitigação das subidas, como o bilhete mensal de 9 euros de transporte público ou o desconto na gasolina, estão contabilizadas nestes números, segundo o gabinete.

O índice harmonizado de preços no consumidor, usado para as comparações entre países europeus, estima-se nos 8,8% em agosto, quase um ponto percentual acima da taxa de inflação normal.

Em Portugal o Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgará esta quarta-feira, 31, a estimativa rápida da inflação de agosto, depois de julho ter registado uma inflação de 9,1%, a mais alta desde 1992.