Economia

Governo e covid atrasam planos para Oitante pagar dívida ao Santander

21 novembro 2021 18:25

Nuno Botelho

Nuno Botelho

Fotojornalista

Miguel Barbosa está na Oitante desde 2015, tendo mandato até 2023

nuno botelho

Veículo público que ficou com despojos do Banif quer reembolsar 90% da dívida este ano

21 novembro 2021 18:25

Nuno Botelho

Nuno Botelho

Fotojornalista

A pandemia e o Ministério das Finanças estão a atrasar os planos de pagamento da dívida que a Oitante, veículo que ficou com os despojos do Banif e que integra a esfera do Estado, tem perante o Santander (e que, se não fosse reembolsada, teria de ser saldada pelos contribuin­tes). “O objetivo inicial era pagarmos a dívida em 2021; não tivesse havido uma pandemia, estaríamos a atingi-lo”, diz o presidente da dona dos ativos herdados pelo Banif. À conversa com o Expresso, Miguel Barbosa afirma: “Em 2021, o objetivo é ter, pelo menos, 90% da dívida paga, ou seja, ficará por abater entre €50 e €70 milhões.” A meta traçada dos 100% em 2021 “não será atingida por uma questão de meses”.

Dos €746 milhões de dívida emitida em 2015, quando o veí­culo foi criado com o fim do Banif, restavam €200 milhões por pagar no final de 2020. Durante este ano, a equipa liderada por Miguel Barbosa já conseguiu abater mais dívida, que está agora nos €118 milhões, ou seja, 84% do total. E deverá baixar ainda mais este ano.