Economia

CEO RESET. Como é que Isabel Vaz faz esticar o seu tempo?

8 abril 2019 10:48

Isabel Vaz é a presidente da comissão executiva da Luz Saúde e a primeira de dez CEO que, ao longo de 2019, revelarão as suas experiências e dicas de gestão no Expresso

isabel vaz

Isabel Vaz, presidente da comissão executiva do grupo Luz Saúde, explica como estica as 24 horas do seu dia: “Não faço a mais pequena ideia de como funciona a minha máquina de lavar a roupa”. Esta é uma das dez CEO que aceitaram o repto do jornal Expresso e da consultora EY para fazerem “reset” e refletirem sobre o desafio que é gerir uma empresa ou ter de começar de novo

8 abril 2019 10:48

Como é que esta CEO consegue conciliar a sua intensa vida profissional e familiar, deitar-se cedo e ainda ter tempo para estudar duas horas por dia, ler livros de história e isto sem perder os seus programas preferidos na televisão?

“Não tomo ritalina”, ironiza Isabel Vaz. O truque para esticar as 24 horas do seu dia passa envolve muito pragmatismo e organização e começa por um “bom outsourcing das tarefas domésticas”:

  • “Tenho realmente uma grande parceira que, de facto, me segura as pontas. Faço um bom “outsourcing”, ou seja, sou uma mulher muita pragmática: eu não faço a mais pequena ideia de como funciona a minha máquina de lavar a roupa, não quero saber e não me preocupa nada não saber. Eu não tenho a mania de ir a esses detalhes. Eu só tenho de saber aquilo que tenho de saber. Ela sabe, faz isso muito bem, e trata-me dessas coisas todas. Desde logo, tiro essa parte da minha vida porque, felizmente, posso e faço”.
  • “Estudo, no mínimo, duas horas por dia. É mesmo assim como estou a dizer: tenho uma curiosidade incansável e não me canso de aprender. Estou no setor da saúde, mas passo a vida a estudar o que se passa na moda, na banca, etc. Neste momento, estou a estudar tudo o que posso fazer para trabalhar mais com a indústria farmacêutica e melhorar o acesso à inovação em Portugal”.
  • “Acordo às seis da manhã e, entre as seis e as sete da manhã, é justamente uma das horinhas em que estudo. Trabalho, mais coisa, menos coisa, 12 horas por dia. Às 8 da manhã estou no batente e às 8 da noite saio. Janto com a minha família, vejo alguns programas que gosto de ver. Estudo também à noite a outra horinha que me falta. E deito-me normalmente cedo. Para mim, é fundamental dormir sete a oito horas por dia”.
  • “Vejo algumas séries. Sou fã do “This Is Us”. Futebol também vejo. Gosto, em particular, da liga inglesa que é absolutamente espetacular. Gosto do Benfica, sofro muito pelo Benfica, não tanto como se fosse do Sporting, mas também sofremos. Gosto de seguir os nossos jogadores lá fora. Conheço alguns, nomeadamente o Bernardo, que hoje está no Manchester City, e que foi colega do meu filho em pequenino: lembro-me de o ver com o cabelinho cortado à tigela e já a dar toques na bola… Temos grandes jogadores e treinadores que são grandes embaixadores da marca Portugal. A ciência e a medicina desportiva são das áreas que gostamos aqui no hospital e das áreas onde o país se pode diferenciar”
  • “Não estou no Facebook e não existo nas redes sociais. Detesto aquela invasão, não gramo aquilo, ponto final. Isto é a minha parte de velha, mas aquilo perturba-me. Deve alguém fazer um estudo sociológico sobre isso. As redes sociais estão a fazer com que as pessoas deixem de interagir e, sobretudo, deixem de dizer o que pensam frontalmente. Às vezes, vejo os comentários nos jornais só para me lembrar porque não vou às redes sociais: as pessoas conseguem despejar um ódio tremendo e uma intolerância perante as opiniões dos outros. Quando dizemos as coisas frontalmente é ótimo: as empresas melhoram, as pessoas melhoram. Já o anonimato do insulto é uma coisa que me perturba porque não serve para nada. Eu vou ser o “último dos moikanos” a aderir porque gosto de falar cara a cara e de dizer o que penso frontalmente”.

Isabel Vaz é a primeira de dez gestores de empresas que aceitaram o repto do jornal Expresso e da consultora EY para fazerem “RESET” e refletirem sobre o desafio que é gerir uma empresa ou ter de começar de novo. Acompanhe no site do Expresso as suas histórias, dicas e conselhos