Cultura

Putin transmite a Edorgan desagrado russo com reconversão de Hagia Sophia

13 julho 2020 14:33

alexei druzhinin/kremlin

Putin "chamou a atenção de Recep Tayyip Erdogan para a importante desaprovação que provocou na Rússia a decisão de mudar o estatuto da igreja de Santa Sofia em Istambul"

13 julho 2020 14:33

O Presidente russo, Vladimir Putin, transmitiu esta segunda-feira ao homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan, o desagrado que gerou na Rússia a decisão de reconverter a antiga basílica de Hagia Sophia (Santa Sofia) em mesquita.

Putin "chamou a atenção de Recep Tayyip Erdogan para a importante desaprovação que provocou na Rússia a decisão de mudar o estatuto da igreja de Santa Sofia em Istambul", informou o Kremlin num comunicado sobre uma conversa telefónica mantida hoje pelos dois dirigentes.

Segundo a Presidência russa, Erdogan "apresentou as explicações relevantes e assinalou que o acesso a este monumento único da civilização mundial está garantido a todos, incluindo cidadãos estrangeiros, e que serão preservados os santuários cristãos".

O Presidente da Turquia invocou na sexta-feira a conquista de Constantinopla pelo Império Otomano, em 1453, como fundamento para converter a antiga basílica em mesquita, como foi até 1934, ano em que foi transformada em museu.

A Igreja Ortodoxa russa lamentou na sexta-feira a decisão, que considerou ignorar "a inquietação" de "milhões de cristãos", e advertiu que ela pode ter "graves consequências para toda a civilização humana".

Antes da decisão ser anunciada, o patriarca da Igreja Ortodoxa russa, Kiril, tinha instado a Turquia a manter o estatuto da catedral, frisando que ela é "um dos maiores monumentos da cultura cristã".

Outros líderes religiosos, como o papa Francisco ou arcebispo de Atenas, Jerónimo II, lamentaram a reconversão da catedral, que suscitou também críticas internacionais, nomeadamente dos Estados Unidos, de França e da UNESCO, que em 1985 a classificou como Património Mundial.

A catedral de Hagia Sophia, considerado o mais majestoso exemplo da arquitetura bizantina, foi construída como catedral ortodoxa grega no século VI, à entrada do estreito de Bósforo, em Istambul, então Constantinopla.

No século XV, na sequência da tomada de Constantinopla pelos otomanos, foi convertida em mesquita e, cinco séculos depois, em 1934, foi transformada em museu pelo fundador da Turquia secular, Mustafa Kemal Ataturk.

O monumento é uma das principais atrações turísticas de Istambul, tendo recebido cerca de 3,8 milhões de visitantes em 2019.

Na sexta-feira, o Conselho de Estado turco anulou a decisão de 1934 e o Presidente, Recep Tayyip Erdogan, anunciou momentos depois a abertura do edifício às orações muçulmanas.